Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 23 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Ensino
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino/ Governo procura soluções para acabar com greve dos professores

2016-03-15

(NAG) – O Presidente da Comissão Negocial do Ministério da Educação, Felisberto Semedo reiterou o empenho do governo para encontrar soluções para a greve em curso no sector do ensino guineense.



Em declarações à imprensa na segunda-feira, Felisberto Semedo lamentou o facto de, os dois encontros de negociação tidos como SINDEPROF terem redundado em fracassos.

Felisberto Semedo disse que num dos encontros, o governo teria proposto a reactivação da Comissão Mista de Seguimento de todos os processos correspondentes às reivindicações, nomeadamente a harmonização de letras, efectivação, reclassificação e pagamentos dos retroactivos dos professores por ser um processo que não depende apenas do Ministério da Educação Nacional.

A Comissão, pretende trabalhar junto do governo e a Assembleia Nacional Popular para a inclusão das dívidas ainda por pagar no Orçamento Geral de Estado deste ano e do agendamento da discussão da proposta de revisão do Estatuto da Carreira Docente no hemiciclo, esclareceu Felisberto Semedo.

“Mas o facto é que até agora o governo não dispõe de um orçamento Geral de Estado discutido e muito menos aprovado”, considerou tendo de seguida manifestado eu optimismo numa solução capaz de por fim a paralisação em curso no sector do ensino desde semana passada.

Em relação a greve dos professores das escolas superiores de formação dos docentes, Felisberto Semedo explica que tem a ver com a grelha salarial instituído há uns anos em benefício da carga horária aos professores que leccionam no ensino básico e secundário.

Os professores do ensino superior exigem um aumento de 75 por cento de salário e no inicio oficial do ano lectivo 2015/2016, o secretário de Estado prometeu fazer tudo para que o assunto seja agendado, discutido e eventualmente aprovado no Conselho de ministros.

"Mas não foi o caso divido actual crise politica que não permite ao governo solucionar vários problemas pendentes, sobretudo no sector do ensino", deplorou o Presidente da Comissão negocial a concluir.

ANG/LPG/JAM


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw