Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ “O PAIGC está disposto a facilitar possíveis compromissos para saída da crise”diz seu líder

2016-03-18

(ANG) - O líder do PAIGC disse que o partido está disposto a facilitar os possíveis compromissos, para a saida da crise.



“É vergonhoso quando se percebe que estas missões vem pedir o cumprimento das leis existêntes no país.Por isso, digo que a solução deste problema deve ser encontrada pelos próprioos guineenses", disse Domingos Simões Pereira, a saída da reuniao com a missao do Conselho de Segurança e Paz da Uniao Africana, decorrida quinta-feira, em Bissau.

Simões Pereira referiu que a audiencia foi mais um "encontro de partilha de informações" sobre o desenvolvimento da actual situação política no país

O Presidente dos libertadores disse ter conseguido ilucidar os aspectos que faziam sombra à compreenção dos factos, como é o caso da leitura que se faz do estatuto do PAIGC e do funcionamento da Assembleia Nacional Popular e Constituição da República.

Simoes Pereira disse ter saído com a sensação de ter contribuido para uma saída da crise, “porque o PAIGC é um partido responsável” e que esta responsabilidade se traduz na existência de leis normativos, aos quais se deve cumprir.

O Partido da Renovação Social (PRS), segundo Victor Pereira, defendeu o cumprimento da lei, “que passa pela readmissão dos 15 deputados expulsos do parlamento”.

“O que move mais o PRS nesta questão é apenas o cumprimento da lei, senão vai se abrir um precedente que depois pode criar situção alarmantes de expulsões arbitrárias na Assembleia Nacional Popular. É isso que queremos evitar”, disse Victor Pereira, porta-voz do PRS.

Em representação da Sociedade Civil, Kaylândio Abdoulai Jaquité convidou as partes para um dialogo franco e o respeito às instituições da República.

“Se a actual situação é do forum judicial, então que a justiça seja feita. Se é do parlamento que seja resolvida no parlamento. E se é da política que os políticos se dialoguem e optam pela verdade”, exortou Kaylândio Abdoulai Jaquité, avisando que é preciso estar disposta para aceitar uma decisão judicial.

O líder da União para a Mudança (UM) salienta que , se o problema se transitar para uma crise social, terá consequencias imprevisíveis.

Agnelo Regalla acrescentou que terminados os passos de diálogo será a vez de os tribunais, cujo pronunciamento aguardam.

Regala saleintou que cada um deve estar preparado para respeitar aquilo que será a decisão judicial.

O Partido da Nova Democracia(PND) defende o diálogo como forma de resolver qualquer devirgência acrescentando que sem ele não pode haver a paz porque ela tem ser construída permanentemente por todos.

Gabriel Djibril Baldé disse que a actual situação deve ser resolvida no seio dos políticos por se tratar de um assunto de caracter político.

ANG/LPG/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw