Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 21 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Ambiente
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ecossistema/ “Corte abusivo de árvores em 2013 foi estrago ecológico enorme ”, diz Director do PNLC

2015-07-21

(ANG) - O Director do Parque Natural de Lagoas de Cufada (PNLC)considera que o corte em massa de árvores de madeiras, durante o Governo de Transição, em 2013 representa um estrago ecológico enorme” para a Guiné-Bissau.



Joãozinho Mané fez esta consideração no decurso de uma entrevista concedida ao repórter da ANG em Buba, Sul da Guiné-Bissau.

De acordo com este perito ambiental, apesar de quase toda a região de Quinara ter sido atingida por esta prática, “só um dia”, um grupo de madeireiros entraram no interior do parque, tendo cortado 116 troncos.

“Na preferia do parque derrubaram muitas árvores, e esta acçäo afecta o parque, na medida em que o desequilíbrio ecológico não tem fronteira,” disse Mané para acrescentar que “um corte de uma árvore num local, pode pôr em causa a “saúde natural” de outra localidade onde esta prática não se verificou”.

Este especialista declarou, por outro lado, que para fazer face as ameaças nomeadamente, dos agricultores da zona, está em curso a identificação dos mesmos para se distinguir os habitantes do interior do Parque de terceiros, que ilegalmente praticam a lavoura nesta reserva da biosfera que alberga dois por cento da população de pelicanos do mundo.

Também, segundo este responsável, este diagnóstico permitirá conhecer os agricultores que praticam a sua actividade na zona “de Conservação Integral”, sítio este, que “deverão abandonar, para voltarem a praticar a lavoura nas suas zonais tradicionais.

O referido trabalho de levantamento, que inclui a fixação de placas que indicam as diferentes zonas do Parque, será concluído em Novembro deste ano.

Falando da importância ecológica e da história desta reserva natural descoberta desde o período colonial, Joãozinho lembrou que antes da independência, a mesma se chamava “Reserva de Fauna de Cufada”.

Mané contou que em 1948 houve um estudo feito por um perito português, de nome Araújo, cujos resultados indicaram que a zona de Cufada fazia parte da última rota de aves migratórios que vinham da Mauritânia e Europa de Norte.

Apos estes estudo, o regime colonial declarou a localidade como “Zona de Reserva de Fauna”, como a de Arquipélago de Bijagós, de São Domingos e de Cacheu que, viria a transformar-se no actual “Parque de Tarrafe de Rio Cacheu”.

O referido estudo apurou que entre as 518 espécies de aves do país, 203 vivem nessa lagoa.

Joãozinho Mané destacou que uma das importâncias do Parque de Cufada se deve ao facto de ser limitado por dois rios: um de água doce, na zona de rio Corrubal e outro de água salgada, na do “Rio Grande de Buba”, havendo no meio deles três lagoas: Cufada, Bedas e Doras.

E ainda refere que a bacia de Cufada é a que contém a maior quantidade de água doce no país e principal responsável pelo recarregamento do nível de água no solo na região de Quinara.

Entretanto, as pessoas temem pela crise de água na região, caso desaparecesse esta reserva natural classificada em 2000 pelas autoridades da Guiné-Bissau, como área protegida. O Parque Natural de Lagoas de Cufada é uma área protegida continental que se encontra no sul do país. Em termos administrativos, localiza-se entre os sectores de Buba e Fulacunda e tem uma superfície total de oitenta e nove mil hectares, com 5118 habitantes distribuídos em 33 tabancas.

Actualmente, no quadro da gestão dos recursos florestais a Guiné-Bissau dispõe de seis áreas protegidas e dois por criar em Boé( leste) e Gulombi (entre leste e sul), cobrindo 24 por cento do território nacional.

ANG/QC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw