Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Finanças/ Geraldo Martins afirma que instabilidade política bloqueia ajudas prometidas na Mesa Redonda

2016-03-24

(ANG) - O ministro da Economia e Finanças afirmou que a instabilidade politica que assola a Guiné-Bissau está a bloquear as ajudas prometidas pelos parceiros de desenvolvimento aquando da Mesa Redonda de Bruxelas no ano passado.



Geraldo Martins que falava esta terça-feira em Bissau, numa conferência de imprensa no balanço do primeiro ano, após o encontro com os doadores na Bélgica, indicou que tudo começou com a demissão do primeiro governo da 9ª legislatura liderado por Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC.

Quanto ao financiamento de diferente projectos de desenvolvimento, disse que os parceiros estão à espera de ver mais claramente o que vai acontecer no país.

Geraldo Martins sublinhou que a instabilidade política na Guiné-Bissau está a travar acordos com oito dos 16 doadores que há um ano prometeram apoios de 1.400 milhões de euros ao país.

"A principal razão para não haver acordos com metade dos parceiros tem a ver com a instabilidade política", referiu.

Afirmou que os 1.400 milhões de euros estão previstos para projectos a realizar até 2020, adiantando que o que até agora esta a chegar à Guiné-Bissau são sobretudo apoios de ajuda orçamental, dentre os quais, 10,5 milhões de euros do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), 1,7 milhões de euros de Timor-Leste e verbas relativas a programas de apoio portugueses.

Disse que em relação aos principais projectos, os parceiros estão à espera de ver mais claramente o que vai acontecer no país ou seja se haverá ou não programa de Governo.

"Teremos que ser nós, guineenses, a resolver este problema. Temos instituições que funcionam, temos que resolver isto na base do diálogo", acrescentou Geraldo Martins. ANG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw