Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Caju/ Ministro de Comércio promete fixação dentre em breve do preço mínimo ao produtor

2016-04-11

(ANG) – O Ministro de Comércio e Indústria prometeu esta sexta-feira que ainda esta semana o governo vai fixar o preço da castanha de caju na abertura da campanha.



Vicente Fernandes que falava em Quinhamel durante o encontro com agricultores e operadores económicos da região de Biombo disse ter registado as preocupações dos populares relativamente ao processo de comercialização da castanha de caju e prometeu faze-las chegar ao governo.

O ministro manifestou-se con victo no sucesso da presente campanha e disse esperar que os produtores saiam a ganhar, bem como o executivo também.

Vicente Fernandes anunciou que o preço básico da castanha vai ser muito bom, porque a procura no mercado internacional aumentou devido a entrada dos empresários chineses.

Afirmou que este ano a campanha de castanha de caju vai ter mais controlo e fiscalização, através do sistema informático, e disse que haverá alterações em termos da feitura do alvará para não permitir a falsificação.

Após o encontro, Vicente Fernandes visitou a Delegacia Regional do Comércio e a instalação da Associação de Mulheres Transformadoras da castanha de caju.

Por sua vez, o régulo de Biombo, Cassímo Có, criticou que o ministro veio e não trouxe o preço da castanha de caju que todos esperavam.

Explicou que os agricultores não podem vender as suas castanhas porque o governo não ainda fixou o preço básico.

Em nome dos operadores económicos, Mário dos Santos questionou o porquê de um alvará específico para a compra da castanha de caju se é um produto nacional, onde o Estado arrecada mais receita.

Adiantou ainda que já que existe um alvará específico deve também existir um regulamento para evitar as cobranças ilícitas.

Mário dos Santos disse que os produtores guineenses são os mais pobres do mundo, mais quem enriquece com as castanhas são os exportadores e intermediários.

O inspector-geral do comércio, Carlos Manuel Biaguê pediu a população para denunciarem pessoas que estão a especular os preços dos produtos da primeira necessidade, e afirmou que a região de Biombo é a única que não adultera a castanha.

ANG/JD/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw