Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cajú/ Associação de Intermediários pede cumprimento das regras de comercialização da castanha

2016-05-03

(ANG) – O Presidente da Associação Nacional dos Intermediários da Guiné-Bissau, pediu hoje o cumprimento das regras na cadeia de comercialização da castanha, sobretudo o respeito do despacho do Ministério de Comércio que regulamenta as formas de intervenção na campanha de caju.



Em entrevista exclusiva à ANG, Nelson Júlio Badinca disse que o despacho em causa interdita aos exportadores o exercício das actividades reservadas aos intermediários ou vice-versa.

Badinca disse que algumas pessoas se en contram actualmente nos campos a comprar a castanha, e que ninguém sabe quem são , donde vieram e o que fazem com o produto que estão a comprar .

Referiu que os intervenientes na área de caju são quatro, nomeadamente, importadores estrangeiros, exportadores nacionais, intermediários e agricultores, salientando que cada um tem a sua área de jurisdição definida e que compreende a sua zona de actuação.

“Os Importadores estrangeiros são parceiros directos dos exportadores nacionais e actuam através de um contrato entre as partes e os exportadores são parceiros económicos que trabalham directamente com os intermediários na execução e venda dos seus produtos e os intermediários são parceiros directos de agricultores na compra e venda dos seus produtos “ disse.

Nelson Badinca considera que está claro o despacho do Ministério do Comércio, acrescentando que um dos intervenientes não pode fazer o trabalho do outro e vice-versa e cada parte que constatar a violação das normas deve denunciar.

O Presidente dos Intermediários da Guiné-Bissau, disse que a reacção da sua associação foi mal interpretada, mas que não é contra os comerciantes estrangeiros.

“Só para verem que não estamos contra ninguém, já reunimos com o Cônsul e alguns empresários indianos, que realmente reconheceram a violação das leis nacionais por parte de alguns dos seus conterrâneos que operam na área de caju. O mercado é livre mas cada um tem a sua área de actuação", explicou.

O Presidente da Associação Nacional dos Intermediários agradeceu ao Secretário de Estado da Administração Interna, Luís Manuel Cabral pela forma como se prontificou a apoiar para que as regras estabelecidas para a presente campanha sejam respeitadas.ANG/MSC/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw