Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise política/ Presidente da República pede ao PAIGC soluçao governativa que reflicta maioria parlamentar

2016-05-13

(ANG) – O Presidente da República exortou hoje ao PAIGC para a possibilidade da composição de um governo que reflicta os sentimentos maioritários do povo representado no parlamento como mellhor solução para saída da actual crise.



Em mensagem dirigida à nação depois de ter reunido com a Comunidade Internacional, líderes dos partidos políticos com assento parlamentar e o Conselho de Estado, o chefe de Estado disse que, se Assembleia Nacional Popular se encontra bloqueada, cabe aos deputados faze-la funcionar, pois para que esta legislatura chegue ao fim, não há alternativa ao diálogo.

Neste contexto, disse que cabe ao partido vencedor das eleições legislativas assumir a responsabilidade de apresentar uma solução governativa capaz de merecer a confiança política da maioria do parlamento.

José Mário Vaz disse acreditar que ainda existem condições para que, no quadro de configuração parlamentar resultante das recentes eleições legislativas, os deputados estabelecam compromissos políticos que permitam criar condições de estabilidade governativa até ao fim desta legislatura.

O Presidente da República manifestou-se contra a realizacao de eleicoes antecipadas tendo levantado questoes sobre suas implicações financeiras e a sua dimensão moral.

"Eleicoes leguislativas não são o meio idóneo para resolver problemas de disciplina e coesão interna de partidos políticos", vincou.

O chefe de Estado sublinhou que o país não dispõe de recursos financeiros próprios para custear tal escrutineo, tendo em conta a fragilidade das suas instituições.

Para Jose Mario Vaz não é sensato sacudir a Guiné-Bi ssau com eleições no actual estado de crispação e de forte clivagem social.

Disse que esse dinheiro que devia ser aplicado na realização de novas eleições, seria certamente mais merecido e melhor se for investido na educação das crianças, na saúde e melhoria das condições de vida da população em geral .

José Mário Vaz disse ter registado com preocupação algumas movimentações de sectores bem delimitados da sociedade político - civil com intuito de pôr em marcha uma agenda política de caos social, tendo como objectivo a promoção da alteração da ordem constitucional para justificar e provocar as ditas “eleições gerais” antecipadas.

O Presidente da República apelou às deferentes estruturas sindicais a suspenderem as greves em curso no país, tendo em conta o estado de fragilidade e de incapacidade do governo para assumir compromissos, como forma de demonstrarem um gesto de solidariedade nacional para com o povo.

Exortou aos guineenses em geral para manterem uma postura de serenidade democrática, muita contenção e máxima responsabilidade, abstendo-se de prática de quaisquer actos que possam pôr em causa a paz e a coesão nacional.

ANG/LPG/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw