Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Corrupção/ Nigéria dá réplica ao insulto britânico

2016-05-13

(ANG) - O Presidente da República Federal da Nigéria, Muhammadu Buhari, disse quinta-feira que não quer desculpas do Primeiro-ministro britânico, David Cameron, que qualificou o seu país de corrupto, mas deseja que devolva os bens dos nigerianos corruptos no Reino Unido.



“Não vou pedir desculpas a ninguém. O que peço é o regresso dos activos”, disse o Presidente Buhari num debate sobre corrupção realizado no Secretariado da Commonwealth em Londres.

Com essa reacção, o Presidente da Nigéria quis recordar o caso de Diepreye Alamieyeseigha, ex-governador do Estado petrolífero nigeriano de Bayelsa, que foi detido em Londres acusado de lavagem de dinheiro em 2005, mas fugiu disfarçado de mulher.

Alamieyeseigha, que morreu na Nigéria em Outubro, deixou no Reino Unido “a sua conta bancária e bens imóveis que o Reino Unido está preparado para devolver-nos. É o que apenas peço”, disse o Presidente Muhammadu Buhari.

“O que faria com um pedido de desculpas? Quero algo que seja tangível”, disse o Chefe de Estado. O Presidente nigeriano participou quinta-feira em Londres numa cimeira anti-corrupção presidida por David Cameron, primeiro-ministro da Grã-Bretanha, que também conta com a participação do Chefe de Estado do Afeganistão, Ashraf Ghani.

Na terça-feira, David Cameron declarou diante de uma câmera de televisão, sem se aperceber que estava ligada, enquanto conversava com a rainha Isabel II, que a Nigéria e Afeganistão são países “fantasticamente” corruptos.

O primeiro-ministro britânico foi apresentado na lista de personalidades que beneficiaram de contas escondidas nas “offshores” para fugirem ao fisco e esconderem dinheiro, no escândalo conhecido por “Panama Papers”.

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw