Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 17 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde pública/ UNFPA apoia redução da mortalidade materna infantil na Guiné-Bissau

2016-05-19

(ANG) - O Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), financiou a formação de enfermeiros nacionais sobre técnicas de anestesia e reanimação para a diminuição da mortalidade materno infantil na Guiné-Bissau.



Segundo à “Rádio ONU”, a iniciativa decorre desde o início do mês de Abril do ano em curso e envolve 34 profissionais da saúde do maior hospital do país, Simão Mendes e deve durar um ano.

A meta é ajudar a cobrir a “grave falta de especialistas” em anestesiologia para garantir realizações de intervenções cirúrgicas em deferentes estruturas sanitárias e no atendimento de grávidas com complicações.

o grupo proveniente de todas as regiões do país e devem sair capacitados para administrar anestesias, facilitando a realização de cesarianas em estruturas de saúde pública do país.

Citado pela à Rádio ONU, a coordenadora Maria Fernandes Teixeira disse que a formação faz parte do projecto H4+ que combate a mortalidade materno infantil. A acção pretende ajudar a salvar vidas, particularmente, das mães, bebes e outros doentes.

Disse que a formação decorre numa altura em que o bloco operatório da maternidade do Hospital Simão Mendes se encontra encerrado por falta de técnicos.

"Permitir que cirurgias como a cesariana e outras que são essenciais para salvar vidas de mães, bebes e outros doentes se possam fazer nas várias estruturas sanitárias do país, evitando evacuações que são muitas vezes motivos de desfechos menos felizes", lamentou.

O Projecto H4+ recrutou um especialista cubano em anestesiologia, o único que trabalha no país. Ramón Soto Soto que falou sobre a importância da formação,disse que, para reduzir a mortalidade materno infantil é preciso evitar a evacuação de casos que podiam ser tratados no local,.

Acrescenta que , e segundo lugar, porque um caso de sangramento em Gabu se for evacuado para Bissau pode chegar sem sangue e em mau estado geral em Bissau

As autoridades da Guiné-Bissau e o UNFPA reiteram a aposta na promoção de serviços de saúde reprodutiva de qualidade para baixar a mortalidade materno infantil no país.

ANG/LPG/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw