Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise política/ Ministério Público alega ter congelado contas do Estado por “indícios de corrupção”

2016-05-19

(ANG) - A Procuradoria Geral da República Justificou o congelamento das contas do Estado, apos queda do Governo de Carlos Correira, com alegados indícios de corrupção no aparelho de Estado, tendo apontado o Ministro das Finanças como um dos principais suspeitos ”.



A informação consta num comunicado de imprensa desta instituição judiciária a que a ANG teve acesso.

De acordo com o Ministério Público, a título de exemplo, entre os dias três e 12 deste mês , depois do pagamento de salários no valor de 2.4 bilhões de Francos cfa, terá sido verificado o levantamento de uma soma de quase 12 bilhões de francos cfa restando cerca de 10 bilhões na conta do Estado no BECEAO.

Ainda, a Procuradoria Geral da República acrescenta que na conta do Tesouro Público guineense, durante o referido período, foram alegadamente movimentados mais de 15 bilhões de Fcfa, restando na mesma conta, “apenas” cerca de dois bilhões.

Por isso, o Ministério Público assegura que, enquanto fiscal da legalidade democrática e detentor da acção penal, foi obrigado à tomar esta medida administrativa, para acautelar este período de interregno até a tomada da posse do novo governo.

Assim, a Procuradoria Geral da República promete continuar à desenvolver o seu trabalho, com o objectivo de saber do alegado destino dado ao dinheiro em causa e, eventualmente, responsabilizar judicialmente os presumíveis criminosos.

Sobre o impedimento a saída do país de alguns membros do governo demitido, a Procuradoria Geral da República afirma que, “não é por serem membros do governo deposto é que foram impedidos de sair, porque foram constituídos suspeitos nos processos que correm seus termos normais no Ministério Público”.

ANG/QC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw