Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 25 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde/ Serviço Veterinário afirma existir risco de reaparecimento da doença das vacas no país

2016-06-16

(ANG) - O Director dos Serviços Veterinários da Guiné-Bissau Ivo Mendes afirmou esta quarta-feira que o país corre risco do reaparecimento da doença das vacas denominada de carbúnculo hemático se não foram respeitados os cuidados básicos.



De acordo com Ivo Mendes em entrevista exclusiva à Rádio Sol Mansi, os cuidados básicos passa necessariamente por não consumo de carne dos animais mortos, sublinhando que eles devem ser queimados com finalidade de não deixar os rastos que possam provocar as doenças.

"Estamos na época da chuva e todo o cuidado é pouco, por isso não devemos ignorar nada que possa atrapalhar as nossas vidas. Se não queimamos os animais mortos os outros vivos estarão sempre em risco de contrair a doença e não só, mas também as pessoas estarão no mesmo risco", avisou director dos Serviços Veterinários.

Acrescentou que a zona de maior risco é a região de Oio, no norte do país, onde a doença ataca mais os animais, acrescentando ainda que a população da capital Bissau correm riscos de contágio porque a maioria dos restos dos animais mortos são vendidos na Chapa de Bissau, aconselhando as pessoas a tomarem bastante cuidado com os produtos que consomem.

Aquele responsável disse que a carne vendida no mercado de Chapa de Bissau escapa sempre o controle do Serviço Veterinário e por isso aconselha os consumidores a procurarem carnes nos outros mercados.

"As vacas que saem do interior para capital Bissau passam sempre em observação do Serviço Veterinário, de modo que se torne fácil detectar qualquer doença. Mas as que são vendidas de forma clandestina na sua maioria são as da capital", explicou Ivo Mendes.

Garantiu que o Serviço Veterinário fará de tudo para continuar a ter o controlo da situação, acrescentando que para que isso aconteça vai precisar da colaboração de todos nas denúncias dos factos assim como na prática de prevenção.ANG/R. Sol Mansi


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw