Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 23 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Cooperação
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Reino Unido/ As reacções em cadeia ao Brexit não param de surgir

2016-06-27

(ANG) - Um abaixo-assinado a favor da saída de Londres do Reino Unido e da sua entrada na União Europeia, que já recolheu mais de 150 mil assinaturas foi lançado no último fim-de semana no site de petições, Change.org.



A iniciativa surgiu em resposta à vitória do Brexit, a saída do Reino Unido da UE, no referendo de quinta-feira.

Até domingo, a petição já havia recolhido mais de 160 mil assinaturas, e o número continua a crescer rapidamente.

“Londres é uma cidade internacional, e queremos continuar no coração da Europa”, declara James O’Malley, o promotor da petição, no seu texto introdutório.

“Reconheçamos, o resto do país discorda de nós. Mas em vez de estarmos sempre a votar uns contra os outros, porque não tornamos a nossa separação oficial, e nos juntamos aos nossos amigos no continente?”, acrescenta.

“Esta petição apela ao mayor Sadiq Khan que declare a independência de Londres e peça a adesão à Comunidade Europeia – incluindo a inclusão no espaço Shengen”, diz a petição. “E quanto ao Euro… bem, depois vemos isso”, acrescenta o manifesto dos promotores.

“Mayor Sadiq Khan, não preferia ser presidente Sadiq Khan? Pois faça-o acontecer!”, conclui o texto. Em menos de 48 horas, a petição tinha já atingido as 150 mil assinaturas.

Uma outra petição, lançada entretanto no site do parlamento britânico, pedia ao governo que realizasse um novo referendo, já que o voto vencedor teve menos do 60 por cento de apoio popular.

A petição, que dá corpo à ideia de que muitos britânicos que votaram Brexit se arrependeram, já tem 2,5 milhões de assinaturas até agora – o que obriga a que seja debatida no parlamento.

Segundo o deputado David Lammy, citado pela BBC, deverá haver uma votação na próxima semana para discutir se o Reino Unido vai mesmo para a frente com o Brexit.

Com uma participação de 72%, o plebiscito de quinta-feira teve 17,410,742 votos a favor do Brexit, e 16,577,342 votos a favor da permanência na UE.

Os eleitores mais jovens, que na sua maioria votaram a favor da permanência, foram os principais derrotados dessa decisão história.

Um pouco por todo o Reino Unido os jovens dizem que não querem ser a “geração Brexit” – e usaram o Twitter para expressar a sua revolta.

“O futuro deste país foi decidido por quem não vai estar aqui para viver com as consequências. Que desastre”, escreveu no Twitter o jovem “ThomasAmor1?, de Manchester, no norte da Inglaterra.

“Eu sou parte da quase metade do país que não queria isto”, escreveu Georgie Moore, “E também sou parte da geração que vai sofrer mais. Em meu nome não “.

Segundo uma sondagem oficial YouGov, 75 por cento dos eleitores entre os 18 e os 24 anos votaram na permanência na União Europeia.

E Nicholas, um destes jovens eleitores, resume o que pensa a geração Brexit.

“A geração mais jovem perdeu o direito de viver e trabalhar em 27 países. Nunca saberemos a verdadeira extensão das oportunidades, amizades, casamentos e experiências que nos vão ser negadas”, diz.

ANG/AJB, ZAP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw