Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Impostos/ “Apenas um terço de empresas honram suas obrigações fiscais na Guiné-Bissau”, revela chefe da missão do FMI no país

2016-06-28

(ANG) – O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) no país, Félix Fischer revelou que apenas um terço de empresas pagam as suas obrigações fiscais na Guiné-Bissau.



Félix Fischer fez estas declarações a imprensa durante o encontro que manteve com o Presidente da Câmara de Comércio Indústria, Agricultura e Serviços (CCIAS),Braima Camara, no quadro dos contactos que vem mantendo com as autoridades nacionais ao longo da semana, e pediu a colaboração da CCIAS na sensibilização de empresários para cumprirem as suas obrigações fiscais.

“Seria importante que todas as empresas do país declarassem as suas actividades ao estado como sinal de suas contribuições ao fisco. Por isso, achamos que CCIAS pode ajudar na sensibilização dos empresários para cumprirem com as suas contribuições”, disse.

Félix Fischer aconselhou ainda o governo de Baciro Djá à concluir o relatório do Fundo Nacional de Promoção Industrial (FUNPI).

Sobre o assunto, o chefe da missão do FMI no país disse ter discutido com o actual governo sobre a auditoria que fora iniciada junto dos beneficiários do FUNPI, que ainda não se concluiu mas que , segundo disse, deveriam estar concluidas com vista a publicação dos seus resultados.

Por sua vez, o Presidente da CCIAS, Braima Camara defendeu a resolução o mais depressa possível da situação que levou a suspensão dos apoios do FMI a Guiné-Bissau, assim como doutras organizações financeiras.

“No quadro de um diálogo transparente entre a direção da CCIAS, os bancos envolvidos e o governo iremos encontrar uma saída mais airosa salvaguardando os interesses de todas as partes envolvidas no processo , pois se trata de uma questão nacional”, defendeu.ANG/FGS/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw