Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Índice de Governação/Africa/ Cabo Verde é o segundo melhor atrás de Ruanda

2016-06-30

(ANG) - Cabo Verde é o país lusófono mais bem classificado no índice do Banco Mundial que mede a qualidade da governação económica e das instituições, alcançando o segundo lugar na classificação geral africana, atrás do Ruanda.



"O Ruanda continuou a liderar o 'ranking' de todos os países, com uma classificação de quatro pontos, seguido de Cabo Verde, Quénia e Senegal, com uma classificação de 3,8", lê-se no relatório CPIA Africa, uma publicação do departamento de empréstimos concessionais do Banco Mundial, a Associação Internacional do Desenvolvimento.

O CPIA Africa, um relatório anual que descreve o progresso dos países da África subsaariana no fortalecimento das suas políticas e instituições, analisa 38 países que cumprem os requisitos para receber apoio do Banco Mundial, que no caso dos lusófonos são Cabo Verde, Moçambique (11.º, com 3,5 pontos), São Tomé e Príncipe (26.º lugar, com 3,1 pontos) e Guiné-Bissau (35.º lugar, com 2,5 pontos).

A média da África subsaariana está nos 3,2 pontos, e os autores do relatório notam uma degradação no desempenho dos países, havendo mais do dobro dos países a descerem a sua classificação face aos que subiram.

"A gestão macroeconómica mais fraca, motivada pelas difíceis condições económicas globais, explica muita da deterioração do desempenho em cada país", diz o Banco Mundial, notando também que "o ritmo da melhoria na governação abrandou em 2015, com sete países (contra nove em 2004) a terem ganhos mensuráveis na governança, e seis países (comparado com quatro em 2014) a terem um declínio".ANG/Inforpress/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw