Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Reino Unido/ Líder da campanha pró-“Brexit” rejeita suceder a David Cameron

2016-07-01

(ANG) - O líder da campanha para a saída do Reino Unido da União Europeia, Boris Johnson, anunciou ontem que não é candidato a suceder a David Cameron à frente do Governo britânico e do Partido Conservador.



Num discurso inesperado, Boris Johnson anunciou que vai apoiar o próximo líder “tory”. “Mas esse líder não serei eu”.

O antigo autarca, que fez campanha a favor da saída do Reino Unido da União Europeia, fez o discurso público em Londres, onde todos esperavam que fosse anunciar a sua corrida ao lugar.

“Eu não posso ser essa pessoa”, disse Johnson, depois de enumerar os desafios esperados do novo primeiro-ministro britânico, e horas após o ministro da Justiça, Michael Gove, apresentar a sua candidatura.

Michael Gove, um dos líderes pró- “Brexit”, anunciou que vai tentar suceder David Cameron como líder conservador e primeiro-ministro.

Michael Gove afirmou em comunicado que “Boris Johnson não pode fornecer a liderança” necessária para os desafios que se aproximam, como negociar a ruptura com a União Europeia, razão pela qual decidiu candidatar-se, um passo que promete dividir os partidários do “Brexit” e que pode favorecer a ministra do Interior, Theresa May, outra aspirante ao cargo.

“Disse reiteradamente que não queria ser primeiro-ministro. Essa sempre foi a minha decisão. Mas os acontecimentos de hoje tiveram um grande peso”, explicou Michael Gove no comunicado.

“Em particular, queria ajudar a construir uma equipa para Boris Johnson, de modo a que um político que defendeu a saída da União Europeia nos liderasse num futuro melhor”. “Mas cheguei, com relutância, à conclusão de que Boris Johnson não pode fornecer a liderança ou construir a equipa para a tarefa que se aproxima”, afirmou.

Theresa May oficializou, também ontem, a sua candidatura. “Juntei-vos aqui para anunciar a minha candidatura”, disse a ministra num acto em Londres, garantindo que é a pessoa ideal para “unir e governar no melhor interesse” do Reino Unido após a vitória do “Brexit”.

May prometeu que, se vencer, não antecipa as eleições legislativas, previstas para 2020, e que vai esperar o próximo ano para activar o artigo 50.º dos tratados europeus para romper com a UE.

A ministra, de 59 anos e no Governo desde 2010, disse que não há retrocesso na decisão de abandonar a UE: “Brexit significa Brexit”, afirmou.

No próximo dia 9 de Setembro é conhecido o novo líder conservador e primeiro-ministro.ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw