Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 24 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Justiça
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Justiça/ Politólogo considera frágil a consistência do Acórdão nº 4 do Supremo Tribunal de Justiça

2016-07-19

(ANG) - O politólogo guineense, Rui Jorge Semedo considerou segunda-feira de frágil a consistência e o argumento do Acórdão nº 4 do Supremo Tribunal de Justiça, sustentando que pode conduzir o país para um risco imprevisível.



Numa análise feita à Radio Sol Mansi, sobre o referido acórdão, Rui Semedo disse que o país está em risco porque, o posicionamento do Supremo Tribunal de Justiça não levará a Guiné-Bissau à estabilidade parlamentar, nem política governativa, por isso, deve haver diálogo que incluirá o PAIGC como partido vencedor das últimas eleições legislativas.

“Como cidadão nacional, acho que o Presidente da República devia redobrar os esforços, sobretudo, aceitar a proposta de incidência parlamentar apresentada pelo PAIGC em que podia fazer parte o PRS e os 15 deputados que continuariam a fazer parte da bancada dos libertadores. Essa poderia ser a solução mais próxima à estabilidade “ , considerou o politólogo.

Semedo disse, por outro lado, que o posicionamento do Supremo Tribunal de Justiça deu garantias ao governo liderado por Baciro Djá para funcionar na sua plenitude, uma vez que o país vivia momentos de indefinição.

Jorge Semedo considerou de perigo a manipulação do poder judicial por quem quer seja ou a favor de alguém ,“porque pode criar graves problemas a democracia”.

Falando sobre o programa de governação denominado “Terra Ranka “ que o PAIGC promete defender até as ultimas consequências Rui Jorge Semedo admitiu que é normal, apesar de que no âmbito politico a governação é continuidade e no plano jurídico, será mais uma batalha para os libertadores.

O Supremo Tribunal de Justiça confirmou a Constitucionalidade da decisão do Presidente de voltar a nomear Baciro Djá, Primeiro-ministro. No Acórdão tornado publico sexta-feira passada o Supremo sustentou a sua decisão com o facto de ter havido mudanças no parlamento em consequência da expulsão de 15 deputados que, em consequência, fez o PAIGC perder a maioria que detinha.

ANG/ MSC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw