Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 25 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Ambiente
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


IBAP/ Especialista considera recentes ataques de chimpanzés às crianças de provocação dos menores aos animais

2016-08-15

(ANG) - Uma especialista guineense em questões ligadas ao mundo animal admitiu quinta-feira que os recentes ataques de chimpanzés às crianças no sul do país poderão estar ligados às provocações dos menores aos animais.



Aissa Regalla de Barros, coordenador de espécies animais e habitat do Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) explicou, de forma científica, o que teria levado a que a 13 de julho último, os chimpanzés tenham atacado crianças na floresta da aldeia de Missirá, na localidade de Empada.

Na altura, os animais atacaram e feriram três crianças, com idades entre os oito e 12 anos, que tinham ido apanhar foli – um fruto silvestre também consumido pelos símios -, com a população a ameaçar abaté-los.

A população também dizia que os ataques dos chimpanzés às pessoas teriam causas ligadas à bruxaria.

Em conferência de imprensa quinta-feira, Aissa Regalla de Barros, disse que os ataques dos animais às crianças “tem motivações científicas”, isto é, que os menores provocam os chimpanzés no seu modo de vida ao que estes reagem.

“As crianças têm que evitar ir ao mato sozinhas, têm que evitar de provocar os chimpanzés, porque quando vêem os chimpanzés lançam pedras, paus, gritam, fazem aqueles chamamentos, as vocalizações dos animais”, situações que levam ao conflito, disse a especialista do IBAP.

Aissa Regalla de Barros informou igualmente que a sua instituição, ainda continua a estudar os verdadeiros motivos de todo clima de conflitualidade que tem ocorrido ultimamente entre os chimpanzés e os humanos, mas pede atenção redobrada das populações.

Os habitantes da zona devem limpar mais os caminhos que levam da aldeia às florestas para melhorar a visibilidade do mato e ainda sensibilizar as comunidades sobre a importância dos símios na preservação das espécies.

Os chimpanzés fazem parte de animais sob proteção do IBAP, à luz das convenções internacionais ratificadas pela Guiné-Bissau, mas ultimamente as comunidades rurais de várias zonas do país têm ameaçado começar a abate-los devido ao numero de ataques sobretudo às crianças nas florestas.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw