Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 15 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ambiente/ Obama lança plano contra mudança climática

2015-08-04

(ANG) - O presidente americano, Barack Obama, lançou segunda-feira o seu plano contra a "grande ameaça" representada pela mudança climática para o planeta, ressaltando a necessidade de agir imediatamente e anunciando uma restrição sem precedentes às centrais de energia.



Trata-se de um dos "desafios-chave" do nosso tempo, considerou Obama, na Casa Branca e, no mesmo pronunciamento, anunciou o Plano dos Estados Unidos para Energia Limpa ("America's Clean Power Plan").

Segundo Angop, o plano reúne uma série de regras e regulamentos que, pela primeira vez, vão impor às centrais de energia a redução de 32% até 2030 das emissões de carbono, em comparação com os níveis de 2005.

"Não há desafio que represente ameaça maior para o nosso futuro e para as gerações futuras do que a mudança climática", disse ele, advertindo para um "atraso" na luta contra esse fenômeno.

"Na maioria das vezes, os problemas que enfrentamos são temporários e podemos esperar que as coisas melhorem, se trabalharmos duro", declarou, ressaltando, porém, que "esse é um dos poucos casos, por sua amplitude, que, se não resolvermos, não poderá ser revertido".

"E nós, provavelmente, não conseguiremos nos adaptar o suficiente", insistiu o presidente dos Estados Unidos, que, desde 2008, tem feito da questão ambiental uma das suas prioridades.

Obama destacou ainda a ameaça representada pela mudança climática e, particularmente, pelas centrais eléctricas, fontes de poluição de carbono. O debate é particularmente acirrado nos Estados Unidos, onde 37% da electricidade ainda é produzida por centrais a carvão, uma das fontes mais poluentes.

Obama descreveu as restrições às centrais como "o passo mais importante que a América deve tomar na luta" contra a mudança climática.

A União Europeia (UE) saudou, imediatamente, o plano de Obama e seus "esforços sinceros" para reduzir as emissões de carbono.

O anúncio do plano ocorre a menos de seis meses da Conferência do Clima (COP21), em Paris. O evento reunirá 195 países que devem se comprometer a limitar a 2ºC o aumento da temperatura global.

As centrais de energia eléctrica são responsáveis por 40% das emissões nos EUA de dióxido de carbono, o gás mais prevalente que contribui para o efeito estufa. Em seu projecto inicial, apresentado no ano passado, a administração Obama tinha fixado em 30% o teto de redução das emissões de carbono dessas centrais.

O limite ambicioso de 32% provocou forte oposição dos republicanos, que criticam medidas que consideram "desproporcionais" e "desajeitadas".

ANG/Angop


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw