Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 10 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Cabo Verde/ Observadores consideram eleições presidenciais livres, mas alertam para abstenção

2016-10-04

(ANG) - Os observadores internacionais às presidenciais de domingo em Cabo Verde consideraram segunda-feira que as eleições foram livres e transparentes, mas aconselham a adoção de reformas para incentivar maior participação dos cidadãos.



Nas eleições de domingo, o actual chefe de Estado cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, foi reeleito à primeira volta com 92.055 votos (74 por cento) numa votação em que participaram apenas 35.7 por centos dos 361.206 eleitores, segundo os dados provisórios quando falta contar apenas 4 por cento de votos nos círculos eleitorais no estrangeiro.

A votação contou com a participação de missões de observadores da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e da União Africana.

Em conferência de imprensa , na cidade da Praia, o chefe de missão da CEDEAO, o antigo presidente do Benim, Thomas Boni Yayi sublinhou "as condições de liberdade e transparência" e o "clima pacífico" e "sem incidentes" em que decorreu todo o processo eleitoral.

"Este sexto processo de eleição presidencial representa de facto um marco na consolidação das conquistas democráticas do povo cabo-verdiano, demonstra a maturidade de todos os interessados e o funcionamento das instituições", afirmou Thomas Boni Yayi.

A missão da CEDEAO, composta por 50 membros, marcou presença em 480 mesas de voto (47 por cento) em nove das 10 ilhas cabo-verdianas.

Na avaliação preliminar, o chefe da missão assinalou, por outro lado, a "baixa mobilização dos eleitores" e recomendou que sejam tomadas medidas para incentivar uma maior participação dos cidadãos.

A CEDEAO sugere, nomeadamente, o envolvimento da sociedade civil através de campanhas de sensibilização e a organização de eleições gerais (presidenciais, legislativas e municipais) em simultâneo para reduzir custos e "suscitar mais interesse nas eleições".

A missão propõe ainda às autoridades cabo-verdianas que considerem a possibilidade de introdução do voto eletrónico.

Thomas Boni Yayi elogiou o profissionalismo na organização do escrutínio e manifestou o desejo de que a experiência possa ser partilhada com os países homólogos da CEDEAO.

Também o chefe da missão de observadores da União Africana (UA), o ex-presidente da República da Guiné-Bissau, Serifo Namadjo, considerou que as eleições "foram livres e justas".

"O processo decorreu na normalidade. Constatamos que nas mesas os técnicos da Comissão Nacional de Eleições (CNE) eram pessoas bem preparadas para o efeito e também não houve nenhuma situação registada que pudesse indiciar alguma fricção ou outro problema", disse.

Em declarações à Rádio de Cabo Verde (RCV), antecipando a conferência de imprensa sobre os resultados da missão que realizará terça-feira, na cidade da Praia, Serifo Namadjo apontou igualmente a abstenção como o ponto mais negativo do escrutínio.

Por isso, recomendou medidas que conduzam a um maior envolvimento dos cabo-verdianos em próximas eleições.

"Acredito que seja uma tarefa de todos. Políticos, sociedade civil e a própria população devem engajar-se mais na consolidação desse processo que deve melhorar ao longo dos anos, resultando num maior interesse das pessoas pela política e pela escolha dos seus responsáveis", sustentou.

A missão da UA inclui 29 elementos e acompanhou as eleições em sete das nove ilhas de Cabo Verde.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw