Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 10 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Comunidade internacional/ União Europeia e China alertam para urgência do fim da crise na Guiné-Bissau

2016-10-04

(ANG) – Os embaixadores da União Europeia e da China, alertam que é urgente ultrapassar a crise política que afecta a credibilidade do país e o empenho dos parceiros internacionais.



Na opinião destes dois dos principais parceiros de cooperação e desenvolvimento da Guiné-Bissau, o dilema dos doadores, neste momento, é o problema de convivência democrática face aos desafios de combate à pobreza que assola o país.

O embaixador da União Europeia na Guiné-Bissau, Victor Madeira dos Santos em entrevista à Rádio Difusão Portuguesa para África, RDP- África, voltou a defender que o país deve sair deste ciclo vicioso para se lançar em grandes questões do desenvolvimento, que só terão apoios da União Europeia com governos estáveis.

"Nós não podemos é pensar em lançar um apoio orçamental quando não temos estabilidade política nos ministérios, é impossível. Costumo dizer muitas vezes que a União Europeia não tem um botão stop - start, esse é o nosso dilema - de todos os doadores neste momento", afirmou o embaixador da União Europeia na Guiné-Bissau.

O embaixador da China, Wang Hua, em entrevista à Rádio Nacional da Guiné-Bissau-RDN disse que o país precisa de estabilidade e de mais dinâmica governativa para recuperar o tempo perdido.

"Dentro de poucos dias, vamos ter outra oportunidade a nível de cooperação entre a China e Países de Língua Portuguesa e a Guiné-Bissau não pode perder, uma vez mais, oportunidade", descreveu o o embaixador da China.

Aponta como exemplo, o Fórum de Cooperação China África realizado no África Sul, onde se disponibilizou uma verba de 62 biliões de dólares para os países africanos em três anos. Dos trezentos projectos apresentados até aqui, a Guiné-Bissau obteve o apoio de apenas um projecto de assistência agrícola gratuita.

Por isso, Wang Hua alertou que o país deve aproveitar o Fórum de Cooperação Económica China-CPLP, a realizar no dia 11 de Outubro, em Macau.

O Primeiro-ministro, Baciro Djá é quem vai chefiar a delegação guineense à participar no Fórum de Cooperação Económica China-CPLP.

ANG/RFI


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw