Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Agronegócios CPLP/ Câmara Agrícola Lusófona realiza primeira feira em Bissau no próximo ano

2016-10-07

(ANG) – A Câmara Agrícola Lusófona (CAL) anunciou quinta-feira a realização no próximo ano em Bissau, da primeira Feira de Agronegócios no país, como forma de incentivar os empresários da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) a investiram mais na Guiné-Bissau.



O anúncio foi feito pelo Presidente da CAL, Jorge Correia Santos, à saída do encontro com o Presidente da República, José Mário Vaz.

Jorge Santos falou igualmente da construção de um pavilhão polivalente para realização de exposições.

Disse que a sua organização, em colaboração com seus parceiros, está empenhada para trazer mais empresas portuguesas para a Guiné-Bissau.

“Os trabalhos estão a ser desenvolvidas desde 2015, sobretudo para fazer aos empresários conhecerem as potencialidades da Guiné-Bissau, em termos de negócios”, realçou o presidente da CAL.

Jorge Correia Santos disse que os trabalhos estão a ser feitos no âmbito do programa de internacionalização de agronegócios da organização em todos os país da CPLP , pelo que a Guiné-Bissau não podia ficar de fora.

“A Guiné-Bissau é o único país que visitamos duas vezes por ano, normalmente fazemos uma missão por cada país num ano, mas isso deve-se a opinião dos empresários quando chegam ao país, têm ideias diferentes em relação a outros países e neste caso Portugal”, afirmou.

Acrescentou que, a Guiné-Bissau devido ao seu passado recente, não goza de boa fama no exterior, o que dificulta a mobilização de investimentos para o país.

“Grande parte de empresas portuguesas acabou por afastar-se e estamos a trabalhar para que retorne”, disse.

Jorge Santos informou que recebeu da parte do Chefe de Estado guineense as garantias de apoio, aliás José Mário Vaz é um defensor do sector privado, por ser um sector que pode contribuir para o desenvolvimento do país e a criação de emprego.

Segundo Santos, a Câmara Agrícola Lusófona e os Ministérios da Agricultura e do Comércio assinam hoje um memorando de entendimento. ANG/LPG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw