Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 16 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Religião/ Vaticano proíbe católicos de espalharem cinzas dos mortos e de as terem em casa

2016-10-26

(ANG) - A conservação das cinzas dos mortos em casa e a sua dispersão pelo ar, terra ou mar passou a ser proibida pelo Igreja Católica, refere o Vaticano num documento divulgado nesta terça-feira.



No texto da Congregação para a Doutrina da Fé, o Vaticano salienta a preferência da Igreja Católica pela sepultura dos mortos, mas não proíbe a cremação, “a não ser que tenha sido preferida por razões contrárias à doutrina cristã”.

Proibida é, todavia, a conservação das cinzas dos mortos em casa e a sua dispersão, conforme se sublinha no documento que deve servir de orientação para os católicos.

“As cinzas do defunto devem ser conservadas num lugar sagrado“, salienta-se no texto divulgado nas vésperas do Dia de Todos os Santos, que se assinala a 1 de Novembro, e que leva os católicos aos cemitérios para homenagearem os familiares mortos.

A Rádio Renascença transcreve o documento onde se determina que as cinzas devem ser guardadas “no cemitério, numa igreja ou num lugar especialmente dedicado a esse fim determinado pela autoridade eclesiástica”.

Desta maneira, está-se a “contribuir para que não se corra o risco de afastar os defuntos da oração e da recordação dos parentes e da comunidade cristã”, sublinha o Vaticano.

Estas orientações, nota o Vaticano, evitam ainda “a possibilidade de esquecimento ou falta de respeito que podem acontecer, sobretudo depois de passar a primeira geração, ou então cair em práticas inconvenientes ou supersticiosas”.

O Vaticano informa, porém, que a preservação das cinzas em casa pode ser autorizada, a título excepcional, “de acordo com a Conferência Episcopal ou o Sínodo dos Bispos das Igrejas Orientais” e “dependendo das condições culturais de carácter local”.

Também fica a nota de que as cinzas “não podem ser divididas entre os vários núcleos familiares”, nem conservadas “sob a forma de recordação comemorativa em peças de joalharia ou em outros objectos”.

ANG/ZAP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw