Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 19 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Auscultação presidencial/ Líder do PAIGC pede ao Presidente da República para pôr termo à crise institucional no país

2016-10-26

(ANG) - O líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde(PAIGC) apelou hoje ao Presidente da República para pôr termo à "grave crise institucional", assumindo as suas responsabilidades de garante da estabilidade governativa.



Domingos Simões Pereira, à saída do encontro com José Mário Vaz disse que as auscultações promovidas pelo Presidente da República até com os partidos políticos sem representação parlamentar demonstram que o chefe de Estado está a descredibilizar o Acordo de Conacri e a desrespeitar a Constituição da República.

"O Presidente da República deve garantir o normal funcionamento das instituições. Elas não funcionam. Esperávamos uma atitude diferente dele o que não encontramos”, lamentou.

Domingos Simões Pereira entende que se o Presidente da República não tiver soluções deve convocar novas eleições legislativas antecipadas.

Por sua vez, o Secretário Geral do Partido da Renovação Social(PRS), Florentino Mendes Pereira, a segunda força política mais votada, reafirma que não houve consenso em Conacri sobre a figura que vai liderar o novo Governo Inclusivo e de Consenso.

Para a União para a Mudança,segundo o seu lider,Agnelo Augusto Regala houve um consenso em Conacri sobre a figura para liderar o Governo Inclusivo e de Consenso e cabe ao Presidente respeitar esse acordo.

Segundo regala, caso persista o bloqueio e as divergências, o Presidente da República deverá dissolver o Parlamento e convocar novas eleições legislativas antecipadas.

Por sua vez, o Presidente do Partido da Nova Democracia, Iaia Djaló, refere que no Acordo de Conacri não consta a proposta de três nomes para liderar o próximo executivo até final da presente legislatura.

"Nós não assinamos nenhum acordo em Conacri para a nomeação do Governo e consequente primeiro-ministro", afirma Iaia Djalo, o também conselheiro do Presidente da República, José Mário Vaz.

O Chefe de estado promove desde segunda-feira auscultacões aos partidos com e sem assento parlamentar, as representacões da sociedade civil com vista a nomeacão de um novo Primeiro-ministro entre três nomes escolhidos por ele: Augusto Olivais, dirigente do PAIGC, João Mamadu Fadia, independente e Umaro Cissoco, um próximo do presidente Mario Vaz.

ANG/Rádio Jovem


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw