Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 23 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Comunicações
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Comunicação social/ Vice-presidente da ANP critica “posicionamento tendencioso” de alguns órgãos de informação

2016-10-28

(ANG) - O Vice-presidente da Assembleia Nacional Popular criticou quarta-feira o posicionamento de alguns órgãos de informação, sobretudo públicos que têm vindo a deixar transparecer atitudes tendenciosas na divulgação de informações, ocultando factos importantes publicados pelos órgãos da soberania e optando-se pela censura a favor de interesses pessoais.



Ao presidir a cerimónia de enceramento do seminário sobre “A Regulação Editorial no Online” Inácio Correia disse acreditar que os resultados saídos nos deferentes painéis do seminário vão contribuir não só para o desenvolvimento político e socioeconómico e cultural do país, como também para a modificação desse tipo de posicionamento de alguns órgãos, eticamente reprováveis.

Inácio Correia acrescenta que a realização do evento no país é de muita importância tendo em conta a actual situação politica do pais que exige dos profissionais da comunicação social uma atuação mais responsável, e que não permite influencias de interesses que põem em causa a ética, imparcialidade e a objetividade do trabalho jornalístico.

Correia garantiu que processo da revisão Constitucional ira reforçar o poder da comunicação social, com o propósito de torna-lo mais independente e permitir que os seus profissionais possam exercer as suas actividades com total liberdade e isenção.

Nesta base, segundo Inácio Correia, os diretores dos órgãos públicos passarão à ser nomeados através de concurso público evitando assim o papel de subalternidade aos interesses contrários as regras de imparcialidade, da isenção e a objetividade que uma informação deve ter.

Entretanto um dos oradores do tema da Independência Editorial, o jornalista da RTP José Rodrigues dos Santos disse que os Conselhos e Entidades Reguladoras da Comunicação Social devem defender os jornalistas do poder político, porque nenhum país pode chegar ao desenvolvimento se encorajar a mentira e se oculta a verdade.

ANG/LPG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw