Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 21 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Eleições/ Movimento da Sociedade Civil elege nova direcção no fim deste mês

2016-10-31

(ANG) – O Presidente em exercício do Movimento Nacional da Sociedade Civil (MNCS), disse hoje que a organização agendou para os dias 25 à 27 de Novembro a realização do seu congresso para eleger novos corpos directivos.



Em entrevista exclusiva à ANG, Jorge Gomes disse que agendaram para amanhã (terça-feira) o empossamento da Comissão Organizadora do referido evento magno da organização.

De acordo como o aquele responsável, cerca de 150 delegados vindos de todo o país vão tomar parte no Congresso para escolher entre os três candidatos, cujos nomes escusou-se a revelar, para dirigir os destinos da maior organização da sociedade civil no país.

O Presidente cessante do Movimento da Sociedade Civil disse que vai abandonar a liderança da organização e se dedicar a sua vida privada tendo afirmado que o seu primeiro mandato foi positivo principalmente no incremento do diálogo sobre a crise política que assola o país.

“Ser activista dos direitos humanos na Guiné-Bissau não é nada fácil, precisa-se de muita coragem e ponderação e o problema do país reflete negativamente na organização uma vez que os doadores não aprovam os projectos e os financiamentos são bloqueados em detrimento da situação política social vigente “, explicou.

Jorge Gomes disse que a direcção cessante foi infeliz no seu segundo mandato porque só trabalharam no quadro de realizações de algumas acções de formação, frisando que já tinham um plano estratégico para executar, mas que devido a situação do país não se concretizou.

“A nossa organização vive unicamente de projectos e na condição em que o nosso país se encontra, os políticos não apoiam a sociedade civil, eles consideram-na uma opositora ao regime”, explicou.

O líder do Movimento da Sociedade Civil aconselha o seu futuro sucessor a ter muita paciência e ponderação e que pactua pela defesa da população, tendo salientado que gostaria que o futuro Presidente da organização fizesse o que ele não conseguiu fazer e que o momento lhe proporcione mais meios para o fazer.

ANG/MSC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw