Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Crise política/ Cidadãos nacionais se divergem quanto a proposta de solução

2016-11-03

Alguns cidadãos nacionais propuseram hoje a dissolução do parlamento e formação de um governo de iniciativa presidencial como forma de ultrapassar a actual impasse político prevalecente no país.



Na auscultação feita pela ANG, outros defenderam o regresso dos 15 deputados do PAIGC expulsos do partido de maneira a por fim à crise política que paralisa vida do país há mais de ano.

Por exemplo, o Pastor Virgulino Gomes propõe a dissolução do parlamento pelo Presidente da República e a formação de um governo de iniciativa presidencial que terá como missão organizar novas eleições, caso contrário, segundo Gomes, o país vai continuar na situação de instabilidade governativa.

Quanto aos três nomes que desfilam para o cargo do futuro Primeiro-ministro da Guiné-Bissau Virgulino Gomes disse que nenhum deles reúne consenso dos políticos, porque cada uma das partes envolvidas continua a defender os seus interesses e não os do povo, por isso reafirma a sua opinião sobre a dissolução do parlamento.

“Eu julgava que os políticos voltaram da República da Guiné-Conacri com uma solução para a saída da crise, mas a situação piorou, porque o Presidente da República concluiu o processo de auscultação, mas até hoje ainda não conseguiu nomear o novo primeiro-ministro, por falta de consenso a volta do nome do futuro chefe do governo”, lamentou o eletricista Costantino Nhaga.

Em relação a dissolução do parlamento e realização de novas eleições que alguns propõe o eletricista não concorda com a ideia, alegando que os problemas do país não se resolvem com simples eleições, porque nenhum partido político pensa no desenvolvimento da Guiné-Bissau e na melhoria de condições dos cidadãos.

Nhaga sugere um diálogo permanente entre todas as forças da nação para alcançar um entendimento definitivo.

Por sua vez, Quentim Sanhá responsabiliza o PAIGC pela actual situação vigente no país há mais de um ano, devido as suas divergências internas, tendo fundamentado que esta formação política foi escolhido pelo povo para dirigir o país da melhor forma possível, mas fez tudo ao contrário.

Disse que a solução para actual crise passa pelo regresso do grupo dos 15 ao PAIGC ou escolha de outra figura independente ou seja que não pertence a nenhuma formação política.

A estudante universitária Fatumata Seide lamentou o actual momento político do país, e disse que a situação está a piorar dia após dia, por isso pede aos actores políticos a colocarem o interesse da Guiné-Bissau em primeiro lugar.

Maria de Fátima disse que a situação está difícil pelo que o Presidente da República deve tomar uma decisão para pôr fim à crise política e permitir o funcionamento do sector do ensino, para que crianças possam frequentar as aulas.

Ela concorda com a dissolução do parlamento e a formação de um novo governo de iniciativa presidencial que irá dirigir o país até as próximas eleições , em 2018.

Enquanto isso, a estudante universitária, Aua Camara, disse que hoje em dia pouco importa identificar quem é culpado pela crise política.

Para ela o mais importante neste momento é encontrar uma saida para esta situação, razao pela qual apela aos actores políticos para se sentarem à mesa e discutirem ao fundo a situaçao politica e encontrar uma solução .

ANG/LPG/ÂC/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw