Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


EUA/eleições/ Caça aos votos até ao último dia

2016-11-07

(ANG) - Hillary Clinton desafiou num comício os eleitores a imaginarem o “desastre” que é ter Donald Trump sentado na Sala Oval, o “mais influente centro das decisões do mundo”.



Claro que apesar de admitir essa possibilidade, a provocação da candidata democrata aos eleitores nada tinha a ver com algo que desejasse efectivamente, pelo contrário, foi mais um ataque directo ao opositor, desqualificando-o e, mais, realçando a sua inaptidão para o cargo.

Os americanos votam amanhã na 58.ª eleição presidencial para a escolha do Presidente e Vice-Presidente dos Estados Unidos.

É quase senso comum que esta é a campanha americana menos convencional dos últimos anos, e termina de forma ainda mais inusitada: disputa voto a voto entre os dois candidatos.

Se há pouco mais de uma semana a candidata democrata era dada como virtual vencedora, mercê da disparidade em todas as projecções sobre a preferência dos eleitores, hoje, 24 horas antes do “Dia D”, as coisas parecem menos claras no que diz respeito ao nome do sucessor de Barack Obama.

O cenário inesperado mobiliza os dois lados. Republicanos e democratas correm para desempatar o jogo nos minutos finais.

Para recuperar o prejuízo com a reabertura das investigações pelo FBI sobre uso do seu correio pessoal para tratar de assuntos oficiais, Hillary apostou em grandes eventos com os principais líderes democratas, a começar por Obama, que tem previsto para hoje, na Pensilvânia, o encerramento da campanha ao lado de Hillary Clinton.

O candidato republicano, que desde as eleições prévias do seu partido era desacreditado, chega aos últimos dias mais forte do que nunca e promete “paz e amor” para não espantar o eleitor mais receoso. Ambos percorreram o país nos últimos dias.

Um bom exemplo de que tudo pode acontecer é o estado do Arizona, visitado pelas campanhas democrata e republicana nesta recta final.

Se nos clássicos filmes do faroeste era um local de intensa disputa entre os cowboys, na política recente vivia um ambiente tranquilo: o estado sempre elegia, com raríssimas excepções, presidentes republicanos.

Até então, os seus 11 votos no Colégio Eleitoral podem ser fundamentais para que o vencedor obtenha os 270 necessários para chegar à Casa Branca.

O Partido Republicano reage. Donald Trump esteve ontem em Wisconsin, um estado democrata, e vai a Minnesota, que desde 1972 não vota nos republicanos.

Além disso, conta com voluntários. No Arizona, centenas lotam os centros do partido para participar em programas de ligação ou vão às casas dos moradores para convencê-los a votar no candidato.

O ainda Presidente dos EUA Barack Obama, é inelegível para um terceiro mandato, devido aos limites previstos na 22.ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos.

Nascido a 4 de Agosto de 1961, em Honolulu, Havai, Barack Hussein Obama II é o 44.º e Presidente dos EUA, e o primeiro afro-americano a ocupar o cargo.

Na sua primeira eleição, em 2008, Obama derrotou o candidato republicano John McCain, tendo sido empossado como Presidente no dia 20 de Janeiro de 2009.

Nove meses depois foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Paz, numa das escolhas mais contestadas da história da Academia Nobel, justamente pela campanha de guerra.

Durante o seu primeiro mandato, Obama assinou várias propostas de estimulo económico em resposta à grande recessão que assolou os Estados Unidos entre 2007 e 2009, através dos projectos de lei American Recovery and Reinvestment Act de 2009.

Também sancionou leis de corte de impostos para a classe média e de criação de empregos em 2010.

Outras importantes iniciativas nacionais durante o seu primeiro mandato incluem a Patient Protection and Affordable Care Act, projecto que passou a ser chamado de Obamacare, o Dodd-Frank Wall Street Reform and Consumer Protection Act, o Don\'t ask, don\'t tell, o Budget Control Act of 2011 e o American Taxpayer Relief Act of 2012.

Na política externa, Obama ordenou o fim do envolvimento americano na guerra do Iraque, aumentou a quantidade de tropas americanas no Afeganistão, assinou tratados de controlo de armas com a Rússia, autorizou uma intervenção armada na guerra civil na Líbia e ordenou uma operação militar no Paquistão de que resultou na morte de Osama bin Laden.

Obama foi reeleito Presidente em Novembro de 2012, derrotando o republicano Mitt Romney, e foi empossado para um segundo mandato em 20 de Janeiro de 2013.

Durante o seu segundo mandato, Obama promoveu políticas internas relacionadas com o controlo de armas, em resposta ao tiroteio na escola primária de Sandy Hook e outros massacres, e também defendeu a igualdade LGBT.

Na âmbito externo, para conter a ameaça do grupo Estado Islâmico (EI) na região do Oriente Médio, ele ordenou o regresso de tropas ao Iraque e também autorizou ataques aéreos e navais contra a Síria para combater as organizações jihadistas locais. v Além disso, continuou o plano de encerramento das operações de combate americanas no Afeganistão. Também iniciou o processo de normalização das relações entre Cuba e Estados Unidos, e firmou um acordo nuclear com o Irão.

ANG/JA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw