Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Mensagem à Nação/ Mário Vaz nega ter dito ao Presidente da ANP que decidira demitir Primeiro-Ministro

2015-08-13

(ANG) - O Presidente da República reiterou que não é verdade que ele tenha dito ao Presidente da Assembleia Nacional Popular(ANP),Cipriano Cassama que já tinha tomado a decisão de demitir o Primeiro-ministro.



O parlamento evocou a existência de uma chamada estratégia presidencial para derrubar o governo para realizar um debate de urgência sobre a situação politica no termo do qual reafirmou a sua confiança politica ao governo e recomendado o dialogo para se ultrapassar a crise política vigente.

Em mensagem à Nação, José Mário Vaz afirmou que depois de tomar conhecimento da proposta de remodelação, o Presidente da ANP, manifestou-lhe uma indescritível indignação não só pelo seu teor, mas sobretudo pelo facto de o Primeiro-Ministro não lhe ter dado conhecimento prévio da proposta e nem respeitou o acordo de partilha das pastas.

"No segundo encontro que tivemos, ao que assistiu o meu Director de Gabinete, não me limitei apenas a transmitir-lhe que não estava em condições de viabilizar a proposta de remodelação, como também lhe transmiti a minha reocupação do relacionamento do executivo comigo e com o poder judicial e as mesmas estavam a pôr em causa o regular funcionamento das instituições", explicou o chefe de Estado.

O Presidente da República declarou que na ocasião apresentou ao Cipriano Cassama três soluções constitucionais para ultrapassar a crise, nomeadamente a dissolução da Assembleia Nacional Popular, Demissão do Governo, convidando o PAIGC enquanto partido vencedor das eleições para indicar um nome para assumir a chefia do executivo e a última, manter o Domingos Simões Pereira e proceder a uma remodelação profunda do Governo por forma a torna-lo credível.

Disse-lhe que iria consultar as forças vivas da nação e a Comunidade Internacional sobre essas três possíveis soluções para a saída da crise política.

"É verdade que o Presidente da ANP ligou-me a pedir que lhe recebesse com o Primeiro-Ministro. Antes de os receber, precisava entender o que motivou a täo brusca mudança de comportamento de Cipriano Cassama em relação ao Primeiro-ministro", explicou.O Presidente da República salientou que foi esta "pequena mentira" que foi associada a um panfleto anónimo que estranha e curiosamente, como por magia, apareceu na Assembleia Nacional Popular no justo e exacto momento em que Cassama iria anunciar aos deputados que acabava de ter conhecimento de que o chefe de Estado ia demitir o Governo.

"A conduta do Presidente da ANP é de uma irresponsabilidade sem precedentes na historia da nossa democracia e das instituições do Estado, que nem uma inconfessável agenda política de me levar a demitir o Governo e provocar e instigar um caos social forçando eleições presidenciais antecipadas", disse.

Declarou que quando a República atinge extremos como momentos dramáticos dos últimos dias, com a agravante de se tentar conduzir o poder de forma irresponsável para a rua, os fundamentos do Estado vêm seriamente ameaçados.

"O poder pertence ao povo, mas não é para ser exercido na rua. O poder do Povo é exercido pelo Estado através das suas instituições democraticamente eleitas. Na qualidade de chefe de Estado, cabe-me a responsabilidade última de garantir a preservação da dignidade do Estado", vincou.

Apos os 40 minutos que durou a divulgação da mensagem à Nação, foi tornado publicou o decreto presidencial que demite o governo liderado por Domingos Simões Pereira.

ANG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw