Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Todas as categorias
Desporto
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


CAN2017/ Bocundji Ca sem medo depois de conseguida a "segunda independência"

2016-11-14

(ANG) - O ‘capitão’ da seleção de futebol de Guiné-Bissau, Bocundji Ca, admitiu hoje que a qualificação para a Taça das Nações Africanas (CAN) de 2017 foi como a “segunda independência” do país, assumindo-se destemido para a fase final.



“É a segunda independência da Guiné-Bissau, agora no futebol, porque precisamos destes momentos. A Guiné-Bissau tem muitos problemas e acho que o futebol pode ajudar a mudar, como aconteceu na Costa do Marfim, quando se qualificou para o Mundial e os dirigentesse juntaram em prol do futebol.Vai ser um momento de grande alegria para o povo guineense”, disse à agência Lusa o médio, atualmente sem clube.

Aos 29 anos, o antigo futebolista de Nantes, Tours, Nancy, Reims, Châteauroux e Paris FC enalteceu o seu orgulho por capitanear os ‘Djurtus’ na caminhada para a primeira presença na CAN.

“É um momento muito importante para o meu país. É o resultado de muito trabalho de muitos e muitos anos, tenho muito orgulho de representar a seleção nacional e ainda mais por ser o ‘capitão’ desta equipa”, frisou.

A Guiné-Bissau vai estrear-se na competição frente ao anfitrião Gabão, a 14 de janeiro, medindo forças depois com Camarões e Burkina Faso, a 18 e 22, respetivamente, em jogos do Grupo A da principal competição africana de seleções.

“Vamos jogar contra uma grande nação, o Gabão, com um dos melhores avançados do mundo, o Aubameyang, mas a Guiné-Bissau não vai de férias, temos as nossas armas e vamos dar o máximo. O mundo vai perceber que temos talentos e dirigentes no futebol que são competentes”, sublinhou.

O principal objetivo da Guiné-Bissau passa pela qualificação para os quartos de final, meta pela qual Bocundji Ca não duvida o empenho da seleção.

“Queremos dignificar o nosso país, vamos dar tudo o que pudermos dar. Não temos medo de enfrentar nenhuma equipa. Vamos para dar o máximo, tenho muita confiança no grupo e nos dirigentes, e espero passar a primeira fase. Depois, tudo é possível, como foi o exemplo de Portugal, que ganhou o Euro2016 e ninguém contava”, recordou.

A crença numa qualificação para uma grande competição moveu o médio defensivo, apresentando-se como exemplo para esta confiança.

“Eu jogo, há muitos anos, em França, onde fiz a formação no Nantes, Tive convites do Senegal e da Guiné-Conacri, mas disse sempre que não, porque sempre acreditei que a Guiné-Bissau ia chegar à este patamar. Sabíamos sempre que ia ser difícil, mas acreditei, hoje estamos lá, com orgulho de ser guineense”, vincou.

O momento político conturbado no país não foi esquecido pelo ‘capitão’, que apelou à união do povo guineense, tendo em vista o bem comum.

“Podem acreditar na nossa capacidade, no nosso talento, e o futebol pode acabar com muitos problemas na Guiné-Bissau”, concluiu.

A CAN2017 vai ser disputada em quatro cidades do Gabão, entre 14 de janeiro e 05 de fevereiro.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw