Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 10 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ PAIGC condena “atitudes e actos que visem desacreditar Acordos de Bissau e Conacri”

2016-11-15

(ANG) - O Bureau Político do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC) condena as atitudes e actos que visam desacreditar e desrespeitar os acordos de Bissau e Guiné Conacri.



A condenação vem expressa num comunicado de Bureau Politico do PAIGC enviada hoje a Redacção da Agência de Notícias da Guiné-ANG.

“O PAIGC está determinado em respeitar e fazer respeitar escrupulosamente os acordos acima referidos, de modo a encontrar uma solução para saída da crise política e institucional que assola o país nos últimos tempos”, refere o documento.

No comunicado o Bureau Político do PAIGC felicita e encoraja as organizações da Sociedade Civil pela realização de manifestações pacíficas, particularmente a do dia 11 do corrente mês que ocorreu em Bissau assim como na diáspora.

Apelou à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a comunidade internacional a urgente divulgação do relatório da mesa redonda de Conacri de forma a permitir mais esclarecimentos sobre o conteúdo do acordo dela resultante.

“Os Acordos de Bissau e de Conacri definiram bases e linhas claras para a saída da crise assim como a garantia de estabilidade política e governativa até o fim da IX legislatura”, refere o documento.

Acrescenta que os referidos acordos determinam que o primeiro-ministro de consenso a ser nomeado deve manter-se em funções até às eleições legislativas de 2018 e que não pode ser demitido pelo presidente da República nem por moção de censura da Assembleia Nacional Popular.

Há mais de um ano que o país se encontra mergulhada em crise, iniciada com a demissão do governo constitucional saído das ultimas eleições legislativas de 2014.

ANG/AALS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw