Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 25 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Ambiente
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


COP22/ “Emissões de carbono cresceram pouco pelo terceiro ano sucessivo ”, dizem cientistas

2016-11-15

(ANG) - As emissões de carbono provenientes da queima de combustíveis fósseis ao nível global, não aumentaram em 2015 e deverão subir apenas ligeiramente em 2016, marcando assim três anos sem crescimento.



A constatação vem expressa no estudo levado a cabo por pesquisadores da Universidade de East Anglia (EUA) e da organizacao” Global Carbon Project”, e apresentado segunda-feira na 22 Convenção da ONU sobre mudanças climáticas que decorre em Marrakech, Marrocos.

“A projeção de aumento de apenas 0,2 por cento para 2016 marca uma ruptura clara em relação ao rápido crescimento das emissões de 2,3 por cento ao ano registrado na década até 2013, tendo sido registado um aumento de apenas 0,7 por cento em 2014”, lê-se no documento que acrescenta que os novos dados mostram que o crescimento das emissões ficou abaixo de 1 por cento, apesar do crescimento do PIB mundial ter excedido os 3por cento.

De acordo com os pesquisadores, tal situação se deve a queda no uso de carvão pela China.

A China é considerada o maior emissor de CO2 no mundo, com 29 por cento do total destes gases expelidos para o ambiente. No entanto, este pais asiático registou, segundo cientistas, uma redução de 0,7 por cento em 2015, se comparado ao crescimento de mais de 5 por cento ao ano na década anterior.

Prevê-se uma nova redução de 0,5 por cento para 2016, embora com grandes incertezas.

Já os EUA, que figuram na segunda posição deste ranking, com os seus 15 por cento das emissões globais, igualmente reduziu o uso de carvão, o que fez cair até 2,6 por cento as emissões verificadas no ano passado.

As emissões dos EUA, de acordo com o referido estudo, deverão diminuir em 1,7por cento no ano em curso.

O documento mostra que depois dos 28 Estados-Membros da UE, que se posicionam em terceiro lugar, com os seus 10 por cento das emissões globais, apos um aumento registado em 2015, segue-se a Índia que contribuiu com 6,3 por cento dos CO2 emitidos ao nível mundial.

“Embora a quebra nas emissões se alinhe com as promessas dos países de as diminuírem até 2030, ela ainda está aquém do necessário para limitar as mudanças climáticas bem abaixo dos 2 graus Celsius”, sintetiza o estudo.

"Este terceiro ano de quase nenhum crescimento nas emissões é sem precedentes e ocorre num momento de forte crescimento econômico”, refere Corinne Le Quéré, Diretora do Centro que liderou a análise dos dados.

Ela acrescentou que embora estes ganhos contribuírem no combate as alterações climáticas, no entanto, são ainda insuficientes, porque , na sua ótica, as emissões globais precisam diminuir rapidamente.

“Se os negociadores do clima em Marrakech puderem impulsionar novos cortes nas emissões, poderemos ter um começo sério para lidar com as mudanças climáticas", concluiu.

José Augusto Mendonça, enviado especial da ANG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw