Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 24 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Quadra festiva/ Utentes do mercado de Bandim protestam contra aumento de preços de produtos de primeira necessidade

2016-11-17

(ANG) – Os utentes do mercado de Bandim, o maior centro comercial da capital, protestam a subida dos preços dos produtos da primeira necessidade com o aproximar da quadra festiva do natal e novo ano.



Em auscultações feitas hoje pela Agência de Notícias da Guiné (ANG), Armanda Caetano de Barros lamentou que os preços dos produtos já tinham subido muito antes da aproximação da quadra festiva.

“Agora que nos encontramos na véspera das festas e com a crise política que abala o país, não temos como escapar de comprar os produtos num preço elevado”, disse Armanda Barros.

Segundo Armanda, a carne primeira que antigamente custava 3.000 francos passou para 4.000 e o peixe primeira subiu de 1500 para 3.000 FCA.

Para Ana Maria Tavares, o disparo dos preços no mercado, tem a ver com a instabilidade interna do país.

“Um país que não consegue garantir estabilidade à sua população nada consegue organizar para a mesma. Como é que queremos comer boa carne, peixe e tudo que toca com a nossa alimentação, num preço razoável uma vez que não temos um Estado que nos possa garantir isso”, lamentou Ana Tavares.

Em resposta, os comerciantes do mesmo mercado Ussai Cande Nbalo e Amadu Balde, defendem que a subida dos preços dos produtos se deve ao fraco apoio de sucessivos governos aos agricultores, camponeses e comerciantes assim como os criadores de gados.

Os mesmos foram unânimes em revelar que nos últimos tempos, os guineenses estão a consumir mais os produtos importados do Senegal.

“O preço de carne disparou porque as vacas são compradas no Senegal e Guiné-Conacri, e durante o percurso do seu transporte para o país, os magarefes são obrigados a pagar taxas elevadas, razão pela qual são obrigados a vender num preço que lhes garante um certo lucro”, sublinhou Amadu Balde.

ANG/LLA/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw