Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Saúde materno/ Maternidade do Simão Mendes já dispõe de Bloco para Cesarianas

2016-11-29

(ANG) - O governo da Guiné-Bissau e parceiros internacionais inauguraram no último fim de semana no Hospital Simão Mendes, principal unidade de saúde do país, um bloco operatório moderno para cesarianas que esperou dois anos para funcionar.



"Técnicos do Hospital Simão Mendes, valorizem este equipamento", pediu o secretário-geral do governo, Olívio Pereira, que representou o primeiro-ministro Umaro Sissoco na cerimónia.

O objetivo é diminuir a mortalidade materno-infantil na Guiné-Bissau, destacou Kourtoum Nacro, representante do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), um dos doadores das duas salas de operações.

Partos que requerem cesariana e com hemorragias associadas são a principal urgência que o Hospital Simão Mendes recebe todos os dias, segundo dados da unidade.

O bloco da maternidade estava pronto a funcionar há dois anos, mas a abertura foi sendo adiada pela direção do hospital por alegada falta de técnicos, obrigando as grávidas a depender do bloco geral de cirurgias, mais antigo, com menos equipamento e mais pacientes.

Kourtoum Nacro lamentou a situação em entrevista à Lusa, há duas semanas, e considerou já não haver desculpas para os atrasos depois de o UNFPA ter contratado especialistas.

"Se houvesse organização e coordenação o bloco da maternidade já podia estar a funcionar", referiu.

O anúncio da inauguração surgiu poucos dias depois e a primeira cesariana deverá acontecer na próxima semana, depois de uma desinfeção profunda do bloco.

Na Guiné-Bissau 549 mães morrem por cada 100 mil partos (a pior taxa do mundo lusófono, segundo dados da Organização Mundial de Saúde de 2015) e 55 crianças em cada mil morrem antes do primeiro aniversário (dados do Ministério da Saúde da Guiné-Bissau, 2014).

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw