Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 15 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Desenvolvimento Humano/ “Desigualdade de género esta a custar 95 bilhões de Dólares/ano à zona Subsaariana”

2016-12-01

(ANG) – O Relatório-2016 sobre o Desenvolvimento Humano em África, hoje lançado em Bissau, retrata que a desigualdade de género esta a custar a África Subsaariana, uma média de 95 mil milhões de Dólares por ano.



De acordo com o documento, a cifra atingiu 105 milhões em 2014, correspondendo a seis por cento do Produto Interno Bruto do continente, pondo em risco os seus esforços para atingir um desenvolvimento humano inclusivo e o crescimento económico.

“Os obstáculos estruturais fortemente enraizados, como a distribuição desigual dos recursos, poder e riqueza, aliados as instituições e normas sociais que sustentam a desigualdade, estão a travar o progresso das mulheres africanas”, refere o documento produzido sob lema:” Acelerar a Igualdade de Género e a Capacitação das Mulheres em África”.

Acrescenta que as mulheres africanas detêm 66 por cento do total de postos de trabalho no sector informal não agrícola e ganham apenas 70 cêntimos por cada dólar ganho pelos homens.

Face a estas disparidades de género existentes, o Director do Programa das Nações Unidas para a África, Abdoulaye Mar Dieye, afirmou que alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda-2063 de África permanecerá “uma aspiração e não uma realidade”.

Por isso, o Relatório de Desenvolvimento Humano-2016, elaborado pelo Escritório do PNUD para a África recomenda uma “aliança entre os agentes do desenvolvimento”, ou seja, o governo, a sociedade civil, o sector privado e outros, para a capacitação das mulheres.

Segundo a Administradora desta Agência da ONU, Helen Clark,essa capacitacao pode acabar com a desigualdade de género no mercado de trabalho, educação, na saúde e noutras áreas.

*Isto vai contribuir para a erradicação da pobreza”, rematou.

Para além da Representante do PAM que falou em nome da Coordenadora do Sistema das Nações Unidas na Guiné-Bissau e da Ministra da Família, Mulher e Coesão Social,cessane, o acto contou com as presenças de várias organizações, com destaque para o Representante da União Africana no país.

ANG/QC/JAM-sg


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw