Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 19 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


HIV/SIDA/ UNICEF receia que haja até 60 por cento de novas infeções até 2030

2016-12-01

(ANG) – O Fundo das Nações Unidas para a Infancia (UNICEF) afirma que projeções apontam para um aumento de 60 por cento de novas infecções por VIH entre adolescentes até 2030, caso os progressos se estagnarem.



Em comunicado enviado a ANG, o UNICEF alerta que são necessárias medidas urgentes para melhorar a prevenção e o tratamento para os jovens.

“As projecções apontam para que as novas infecções por HIV entre adolescentes aumentem de 250 mil em 2015 para quase 400 mil anualmente atee 2030, se os progressos para chegar aos adolescentes estagnarem”, refere a nota citando um relatório divulgado pelo UNICEF.

O relatório propõe como estratégias para acelerar os progressos na prevenção do VIH entre os adolescentes: o tratamento dos que estão infectados, investimento em inovação, reforço da recolha dos dados, pôr fim a violência do género e dar prioridade as medidas de prevenção.

De acordo com o director executivo do UNICEF Anthony Lake, o mundo fez progressos enormes para pôr fim ao Sida, mas a luta está longe de terminar, especialmente nas crianças e adolescentes.

Este responsável sublinhou que em cada dois minutos mais um adolescente, muito provável uma rapariga, é infectada pelo VIH e que para diminuir o referido fenómeno é necessário redobrar os esforços.

Anthony Lake disse que a Sida continua a ser uma das principais causas da morte entre os adolescentes, crianças e jovens entre os 10 á 19 anos.

A nota de imprensa confirma que em 2015 ao nível global, perto de 2 milhões de adolescentes entre 10 e 19 anos viviam com VIH e que na África Subsariana as regiões mais afectadas pelo vírus três em cada quatro novas infecções em adolescentes dos 15 aos 19 anos eram raparigas.

O documento confirma que foram feitos progressos na prevenção da transmissão do VIH de mãe para filho e que as crianças entre 0 à 4 anos que vivem com VIH correm maior risco de morte relacionado com a Sida.

ANG/AALS/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw