Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Relação Civil-Militar/ Ex-Ministra da Defesa elogia neutralidade de militares guineenses na actual crise política

2015-08-18

(ANG)- A ex-Ministra da Defesa Nacional disse que o actual “comportamento de neutralidade” de militares face a crise política no país, no respeito à Constituição da República, “deve servir de exemplo aos políticos guineenses”.



Cadi Seidi que falava hoje, em Bissau, no acto de abertura da conferência sobre a relação Civil-Militar, afirma que o futuro da Guiné-Bissau depende dos seus filhos. Por isso, alerta que os desafios com que se depara o país, só serão vencidos com o diálogo “franco” e a união “pela causa nacional”, onde se deve trabalha sem “sentimentos negativos, como ódio e vigança que possam travar o país”.

Sobre a relação civil-militar, a antiga governante disse que a mesma tem melhorado “considerávelmente”, fruto de várias conferências realizadas, depois do conflito político-militar de 1998, sobre a temática.

Parafraseando várias vezes Amilcar Cabral, no que tange ao papel das forças da defesa, Cadi Seidi lembrou aos militares do seu papel constitucional de “servir o povo. E agradece ao governo dos Estados Unidos de América pelos apoios dados à Guiné-Bissau e em particular, ao sector de Defesa e Segurança.

Por sua vez, Gregory Garland, o Encarregado para os Assuntos Políticos da Embaixada dos Estados Unidos de América para a Guiné-Bissau, com sede em Dakar, Senegal, manifestou a abertura do seu país em continuar a apoiar as autoridades de Bissau e considerou de essencial para a democracia, a submissão dos militares ao poder civil.

Com a assistência de um perito norte americano e durante cinco dias, os conferencistas irão abordar temas como, Papéis e Missões das Forças Armadas e Melhores Práticas nas relações Civil-militar.

Durante a sua intervenção, o Presidente do Instituto da Defesa Nacional, Terêncio Mendes também assegurou que nos ultimos anos a relação civil-militar conheceu progressos notáveis.

Contudo, chamou a atenção para se fazer mais com vista a “submissão incondicional e induscutível das forças da defesa e segurança ao poder legalmente instituido,” de acordo com a Constituição da República.

O Instituto de Defesa Nacional (IDN) é uma estrutura sob tutela do Ministério da Defesa guineense, cuja missão é de servir de elo de ligação entre o governo, as Forças de Defesa e Segurança e a Sociedade Civil, no debate das questões de vida nacional.

Nesta conferência participam sessenta personalidades de didefrentes instituições civis, paramilitares e militares e, é financiada pelos Estados Unidos de América, através do seu Centro de Relações Civil-Militar de monterey no Estado de Califórnia.

ANG/QC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw