Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Sexta, 16 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Gâmbia/ Militares patrulham as ruas depois de Yahya Jammeh rejeitar resultados de eleições

2016-12-12

(ANG) – Os militares patrulham as ruas de Banjul, capital da Gâmbia, após o presidente do país, Yahya Jammeh, ter rejeitado o resultado da eleição que o tiraria do cargo após 22 anos de poder.



Segundo a AFP, Adama Barrow vencedor do pleito realizado no passado dia 1 de Dezembro afirmou ter o apoio das Forças Armadas e que o próprio ministro da Defesa ligou para ele para dizer que seria leal ao novo chefe de Estado da mesma forma que foi ao atual.

"Ele disse que a segurança da nação é garantida pelas Forças Armadas e que foi leal ao presidente Yahya porque ele havia sido eleito, e agora que eu fui eleito para o cargo pelo povo de Gâmbia, ele vai me apoiar", declarou Barrow.

De acordo com o presidente eleito, citado pelo Canal 4, "o atual presidente não tem autoridade constitucional para rejeitar o resultado da eleição e ordenar que um novo pleito seja realizado".

O Conselho de Segurança das Nações Unidas exigiu neste sábado que o presidente em fim de mandato de Gâmbia, Yahya Jammeh, entregue o poder ao presidente eleito depois de o primeiro rejeitar o resultado das eleições.

Em uma resolução aprovada por unanimidade, os 15 membros do Conselho de Segurança pediram a Jammeh que "respeite a decisão soberana do povo de Gâmbia, como fez em 2 de dezembro de 2016, e entregue o poder, sem condições ao presidente eleito, Adama Barrow".

O presidente gambiano foi derrotado com 36,6 por cento de votos contra os 45,5 por cento do candidato vencedor Adama Barrow.

Há 22 anos no poder, Jammeh chegou a reconhecer o resultado da eleição, mas voltou atrás. Ele aponta ter descoberto fraudes graves na comissão eleitoral.

ANG/AFP


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw