Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 23 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Sociedade
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Novo governo/reacções/ Citadinos apelam aos políticos à colocarem interesse do país em primeiro lugar

2016-12-13

(ANG) – Alguns citadinos de Bissau apelaram aos políticos a colocarem o interesse do país e o bem-estar do povo guineense acima de tudo, com a finalidade de solucionarem a crise que se vive no país.



Em auscultações feitas hoje pela Agência de Notícias da Guiné ANG alguns citadinos dizem que o governo liderado por Umaro Sissocó não tem futuro e que “já estão fartos das situações de quedas constantes de executivos”, e outros afirmam que dão benefício de dúvida ao novo governo, caso o seu Programa for aprovado no parlamento.

Agostinho Mendes é professor, disse que o executivo liderado por Umaro Sissoco não irá continuar, uma vez que ficou claro que é impossível que seja aprovado o seu Programa no parlamento.

Mendes sustentou que é impossível essa aprovação porque o governo foi criado na base de ilegalidade.

“Não cabe o presidente decidir o futuro do país do seu jeito”, disse sublinhando que o importante devia ser o bem-estar dos guineenses e não de um certo grupinho.

Agostinho Mendes aconselhou ao presidente a República a recuar nas suas decisões, justificando que a situação de crise agrava cada dia e que muitos sofrem fome devido a situação de crise constante que se vive no país.

Por sua vez, Maimuna Baldé, vendedeira de frutas disse que faz todo sentido que o governo de Umaro Sissocó continue e que obtenha sucesso.

“Sissoco já deu a provas de que pode fazer algo de bom para o bem do país razão pela qual os guineenses devem confiar-lhe o destino do país. E quando digo que já deu provas quer dizer que já começou a fazer algo de importante como por exemplo, funcionamento das escolas públicas do país, oferta ao hospital, entre outras”, disse Baldé.

Martina Cassamá, empresária considera que a situação do país caminha para o pior.

Disse que, se a comunidade internacional abandonar a Guiné-Bissau quer o investimento assim como a vida dos guineenses estarão sujeitos à miséria.

Windjaba Na N’buda, estudante disse que retomou os seus estudos graças à Umaro Sissocó e que deseja que ele continue no poder para que possa continuar a estudar.

“Não quero ficar parada porque cada dia que passa o tempo também passa. Por isso quanto mais cedo aproveitar melhor será o teu futuro. Aproveitar com a finalidade de poder dar ao meu filho o que não tenho hoje”, disse a estudante.

Lançou um apelo aos governantes no sentido de pensarem sempre no bem do país, sublinhando que um país jamais se desenvolverá com um sistema educativo fraco.

ANG/AALS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw