Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política PAIGC aguarda dos actores políticos o respeito à Constituição da República

2016-12-20

(ANG)- O PAIGC aguarda que os principais atores políticos da Guiné-Bissau assumam uma nova postura, assente no respeito à Constituição da República e à vontade manifestada nas urnas pelo povo guineense.



Em comunicado à imprensa divulgado segunda-feira em reação as recomendações da Cimeira dos chefes de Estado e do Governo da CEDEAO realizada no dia 17 do corrente em Abuja(Nigéria), os libertadores apelaram igualmente que seja cumprida e respeitada de forma responsável e patriótica os Acordos de Bissau e d Conakry, com a finalidade de garantir o bem-estar do povo guineense.

O Partido Africano da Independencia da Guiné e Cabo-Verde (PAIGC) revelou que na Cimeira de Abuja exortaram o Presidente da Repúblíca guineense a conformar-se com Acordo de Conakry que escolheu Augusto Olivais para liderar um governo inclusivo.

“Para o PAIGC está em causa a credibilidade de alguns atores políticos guineenses, pelo papel que assumiram de forma oportunista, antidemocrática e eivada de um espírito de puro golpismo, tentando fazer da mentira um instrumento para usurpar um poder que nunca conquistaram nas urnas”, refere o documento.

Acrescenta que a “mentira” e a subversão dos factos, que realmente ocorreram em Conakry, deve servir de alerta para o povo guineense sobre os perigos que algumas forças políticas e alguns políticos podem representar para o futuro do país.

De acordo com o comunicado, em Abuja foi deixada de forma clara de que algumas forças e atores políticos deixaram de merecer respeito e a confiança dos guineenses, uma vez que o papel que desenpenharam é antipatriótico e antidemocrático.

“O PAIGC é um partido cuja grandeza e história ao serviço do povo guineense é um fator inquestionável e isso dá-lhe a pesada responsabilidade de assumir esse papel e de prosseguir no cumprimento dos seus deveres de partido libertador e promotor da democracia”, refere o documento.

ANG/AALS/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw