Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Saúde
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Novo Ministro de Saúde promete controlo rigoroso das receitas do Hospital Nacional Simão Mendes/

2016-12-21

(ANG) – O ministro da Saúde Pública, Carlitos Barai prometeu fazer funcionar o Hospital Nacional Simão Mendes através de um controlo rigoroso das suas receitas.



A promessa foi esta terça-feira feita pelo titular da pasta de Saúde Pública durante a visita que efetuou àquele estabelecimento hospitalar.

“Os responsáveis de cada serviço apresentaram problemas, mas o Hospital é um centro de referência e faz diagnóstico de várias doenças e os referidos serviços são pagos”, vincou, tendo questionado do paradeiro das receitas recolhidas nestes serviços, e afirmado que é necessário um controlo das mesmas.

Carlitos Barai reconhece existência de dificuldades e pede a colaboração dos directores dos diferentes serviços para, em conjunto, encontrarem soluções para esses problemas.

Quanto as prioridades para o sector, Barai disse que, primeiro, vai manter um encontro com os técnicos do Ministério para o efeito.

Nesta perspetiva, salientou a necessidade de conclusao das obras do Centro de Hemodialise e instalação de equipamentos que se encontram no hospital há dois anos bem como a insuficiência de materiais no serviço de raio X e a falta de especialistas e do pessoal técnico.

Durante a visita o ministro foi confrontado com inúmeras dificuldades com que se deparam os serviços do Hospital Nacional Simão Mendes (HNSM), sobretudo na Urgência, Pediatria, Maternidade, Laboratório, Cozinha, Nefrologia e no Bloco Operatório , ambos com insuficiência de materiais e de técnicos.

O Director-geral do serviço de Urgência do Hospital, Leibniz Bacame Vaz revelou que o serviço depara com falta de materiais de proteção dos técnicos, e de medicamentos.

Para a Directora da Pediatria, Nadia Mendes da Silva, o problema tem a ver com o aumento de casos de paludismo graves registados nos últimos tempos, e vindos principalmente da região de Biombo. Por isso apela as mães no sentido de dormirem com os filhos de baixo de mosqueteiros para evitar o contágio da malária.

Segundo a nutricionista e responsável da Cozinha do Hospital, Berta Ié apesar de o Primeiro-ministro ter cumprido a promessa de instalar duas arcas congeladoras, o hospital continua a deparar-se com falta de géneros alimentícios e de pratos.

Disse que para cobrir a necessidade da Cozinha do Hospital, precisam diariamente de 120 quilos de peixe, 90 quilos de arroz e 720 pratos, informando que um dos dois frigoríficos oferecidos pelo chefe do governo já esta avariado e que assunto já é de conhecimento da direcção do Hospital.

A Directora de serviço de Laboratório, Lucilina Maimuna Indjai pediu a instalação de equipamentos laboratoriais que hà dois anos se encontram naquele estabelecimento sanitário e da garantia de stok de reagente e formação de técnicos que irão manejar os referidos equipamentos, assim como melhoria de serviço de limpeza no hospital.

Por sua vez, o director do Serviço de Nefrologia, Nelson António Delgado pediu igualmente a instalação urgente de equipamentos no Centro de hemodiálises para evitar perda de vidas e evacuação desnecessaria de doentes para estrangeiro que muitas vezes acabam por falecer por atendimento tardío.

Falou da necessidade de reforçar a segurança no hospital para prevenir agressões que os técnicos são sujeitos pelos familiares ou de outras pessoas e da reparação da rede elétrica em todos serviços.

A directora dos serviços da maternidade, Magarida Sá, disse, por sua vez, que não dispõem de lençóis suficientes, e que fatam dois técnicos para o novo bloco operatório.

Margarida ainda disse que o serviço funciona com 35 parteiras, 10 enfermeiros e 11 médicos, o que é insuficiente para atender o número das pessoas que procuram aquele serviço.

ANG/LPG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw