Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 10 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ "Adverti ao PR das consequências de demissão do governo de Domingos", diz Francisco Benante

2016-12-23

(ANG) - O ex-presidente de Assembleia Nacional Popular, Francisco Benante afirmou que havia alertado ao Presidente da República sobre as "graves" consequências para o pais, que a demissão do governo liderado por Domingos Simões Pereira iria ter.



Numa recente entrevista a Rádio Bombolom FM reproduzido pelo jornal Última Hora na sua edição desta semana,Francisco Benante apelou ao Presidente da República a meditar profundamente e a recuar nas suas decisões com intuito de garantir estabilidade ao povo e promover o desenvolvimento do país.

“Estou preocupado com a situação do país por falta de controlo interno. As pessoas falam sem limites, cada um dá a sua opinião, já não se pode saber quem é que sabe algo na verdade”, disse o ex-Presidente da ANP.

Francisco salientou que a política é para servir os outros e não para ir contra as suas vontades.

Acrescentou que a actual situação é bastante perigosa e que o povo guineense se encontra dividido mais do que no período do 7 de junho, e que todo o processo da crise está a volta do Presidente da República.

“O processo de construção do Estado da Guiné-Bissau contínua com erros. Não sabemos se o multipartidarismo foi bem ou mal concebido no país, mas ficou claro de que tem causado dissabores aos guineenses desde a guerra de 7 de junho de 1989”, lamentou.

Referindo-se ao Acordo e Conacri em relação ao qual o PAIGC e varios outros partidos acusam o Presidente da Republica de não estar a cumprir, Benante disse que só resta a sua implementação, justificando que o mesmo é a sequência do Acordo de Bissau, e que, por isso, deve ser respeitado.

O acordo de Conacri prevê a criação de um Primeiro-ministro de consenso e formação de um governo inclusivo conforme representação parlamentar dos partidos, e ainda com personalidades independentes.

O referido acordo atribui ao Presidente da República a competência de designar um Primeiro-ministro de consenso mas de sua confiança.

No uso dessa competência, Umaro Sissoco Embaló foi nomeado novo Primero-ministro, mas a sua nomeação foi protestada pelo PAIGC e mais outros partidos que alegaram não ter sido a figura de consenso retida na reunião de mediação promovida pela CEDEAO, na vizinha República da Guiné-Conacri.

No passado dia 17 numa reunião em Abuja/Nigéria, o medianeiro da CEDEAO, Alpha Condé revelou que o nome de consenso retido em Conacri foi o de Augusto Olivais, dirigente do PAIGC, partido vencedor das últimas eleições legislativas.

Desde a demissao, há dois anos, do governo liderado por Domingos Simões Pereira que a Guiné-Bissau se mergulhou numa crise permanente e já vai no quinto governo.

ANG/AALS/JAM/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw