Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quinta, 13 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Politica/ Presidente do PAIGC espera firmeza da CEDEAO para acabar com crise

2016-12-30

(ANG) - Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, partido vencedor das últimas eleições legislativas na Guiné-Bissau, mas arredado do poder, anunciou quinta-feira esperar firmeza da organização sub-regional, CEDEAO, para acabar com a crise política no país.



O líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) manteve na quinta-feira um encontro com os militantes e dirigentes do partido, em Bissau, tendo-lhes dado conta dos resultados de um périplo a vários países africanos.

Dos encontros Domingos Simões Pereira disse estar convicto de que a Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) irá tomar "medidas necessárias" para acabar com a crise política na Guiné-Bissau.

Para o líder do PAIGC, a CEDEAO não tem outra medida a tomar que não seja ser firme e determinado perante o que diz ser "golpe de Estado constitucional" na Guiné-Bissau, em que o Presidente da República se recusa a cumprir com os compromissos assumidos perante a comunidade internacional.

Num discurso em crioulo, Domingos Simões Pereira referia-se ao Acordo de Conacri, um instrumento proposto pela CEDEAO para acabar com a crise política que assola a Guiné-Bissau há cerca de dois anos.

Quatro dos cinco partidos com assento no Parlamento guineense acusam o chefe do Estado, José Mário Vaz, de não respeitar o Acordo de Conacri, ao nomear Umaro Sissoco Embaló primeiro-ministro.

Por ter um mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o líder do PAIGC entende que não restaram à CEDEAO outra saída que não seja exigir o Presidente guineense "o cumprimento na íntegra" do Acordo de Conacri, frisou.

O Acordo propõe, entre outros pontos, que o governo a ser formado na Guiné-Bissau seja inclusivo e que o primeiro-ministro seja uma figura de consenso dos partidos representados no Parlamento e ainda que seja alguém de confiança do chefe do Estado.

O PAIGC, PCD, PND e UM que recusaram integrar o Governo acusam José Mário Vaz de nomear Sissoco Embalo na base de confiança pessoal mas sem que este fosse de consenso.

Na última cimeira de chefes de Estado e de Governos da CEDEAO realizada no passado dia 18 na Nigéria, a organização recomendou ao Presidente guineense o cumprimento integral do Acordo de Conacri que diz ser instrumento capaz de tirar a Guiné-Bissau da crise política.

ANG/LUSA


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw