Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Função Pública/ Presidente da República recomenda desmantelamento de supostas redes de corrupção

2017-01-09

(ANG) – O Presidente da República instou o Primeiro-ministro Umaro Sissoco Embaló a desmantelar as supostas redes de corrupção instaladas nos Ministérios do Interior, Pescas e Finanças.



José Mário Vaz que falava na sexta-feira num jantar de confraternização com os funcionários do Ministério do Interior, disse que chegou o momento dos guineenses levantarem para defender o país.

“Quero garantir ao Primeiro-ministro e o ministro do Interior que as pessoas partiram todas as barreiras de segurança do país. Uma casa segura deve ter murros de segurança que impeça a entrada fácil no seu interior. Hoje em dia a Guiné-Bissau dispõe de 500 portas de entrada”, criticou o chefe de Estado, qualificando a situação de triste.

José Mário Vaz sublinhou que o actual primeiro-ministro e o seu elenco governamental têm pesadas responsabilidades nos seus ombros para resolver questões de segurança no país.

“Nesta minha intervenção, vou cingir em três aspectos. Vou falar do Ministério do Interior, da Economia e Finanças e das Pescas porque é nestas três instituições que sentimos que, de facto, existem problemas sérios na Guiné-Bissau”, informou.

Em relação ao Ministério do Interior, o chefe de Estado afirmou que logo no primeiro mês após a sua investidura um grupo de pessoas cujos nomes não revelou tentou aliciar-lhe com 50 mil dólares.

“Quando me prometeram os 50 mil dólares perguntei-lhes quem são para me oferecer esse montante e qual era a proveniência desse dinheiro. Recusei a proposta porque a sua origem era duvidosa”, explicou.

O Presidente da República afirmou que esses indivíduos davam normalmente à algumas autoridades do país montantes muito mais elevados ou seja entre os 250 à 300 mil dólares por mês.

“Voltei a questioná-los para me informarem da origem do dinheiro. O referido dinheiro provém de documentos mais cruciais da nossa soberania, através da qual um cidadão se identifica como guineense. O dinheiro vem da venda dos nossos passaportes em Macau”, explicou.

José Mário Vaz revelou que cada passaporte é vendido à 43 mil dólares, acrescentando que dispõe de fotografias como provas.

Referiu ainda que alguém pode estar em Macau, Congo, Taiwan ou outras partes do mundo mas pode ter o registo criminal da Guiné-Bissau, no valor de sete mil dólares.

“Como é possível dar a um estrangeiro o registo criminal de um pessoa com o nome de um guineense que reside por exemplo no bairro de Mindará em Bissau. O atestado de residência é vendido igualmente a sete mil dólares, e só em Dezembro facturaram mais de um milhão e meio de dólares. Como é que me vai oferecer 50 mil dólares na qualidade de Presidente da República da Guiné-Bissau”, questionou, tendo exortado ao primeiro-ministro de que todas as suas denúncias terão consequências.

“Temos essa informação porque recentemente houve conflitos entre o Embaixador da Guiné-Bissau na China e o referido Cônsul do país em Macau no momento de partiha de dinheiro”, esclareceu, afirmando quie estão a enriquecer os estrangeiros enquanto que o povo guineense continua a viver na miséria e pobreza.

No que tange ao Ministério da Economia e Finanças, José Mário Vaz questionou do paradeiro das receitas provenientes das Alfândegas e Direcção Geral das Contribuições e Impostos e disse que, nos momentos normais são arrecadadas entre quatro e cinco mil milhões de francos CFA.

“Nos últimos anos, o país teve que emitir títulos de tesouro junto dos Bancos no valor de mais de 40 milhões de dólares cujo paradeiro se desconhece”, revelou.

Em relação ao Ministério das Pescas, o Presidente da República afirmou que muitos navios estão a operar nas águas territoriais do país sem licença, frisando que quando forem confrontados a declarar a Taxa de Arqueação Bruta(TAB), avançam com dados falsos.

“Quando os nossos serviços de fiscalização preparem missões para alto mar, os armadores em terra alertam os navios piratas para fugirem. É só para verem em que situação se encontra o país, com os próprios nacionais a contribuírem para a delapidação dos recursos em troca de pequenas migalhas”, informou.

O Presidente disse que quando se viaja de avião à noite em cima das águas territoriais do país ao ver para baixo confunde-se que se está em Nova Yorque devido a iluminação de quantidades de navios que pescam no mar.

“É muito triste e até parece que este país está de praga. Quer dizer, todos nós temos que estar a trabalhar para sustentar meia dúzia de pessoas e temos problemas sérios com a escola, saúde, estradas, entre outros”, lamentou.

ANG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw