Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Segunda, 17 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Política/ PAIGC sanciona Botche Cande e mais 10 dirigentes por violação dos estatutos do partido

2017-01-10

(ANG) – O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), sancionou o actual ministro de Estado do Interior, Botche Candé e mais dez dirigentes do partido que integram o governo liderado por Umaro Sissoco Embalo.



A posição foi tornada pública através de um despacho produzido pelo Conselho Nacional de Jurisdicao do mesmo partido, que alega que os sancionados violaram os estatutos daquela formação política.

De acordo com o mesmo documento, o PAIGC informa que desde o dia 20 de Agosto de 2015, com base nas resoluções da 4a Sessão Extraordinária do Bureau Politico (BP) do partido, na qual tinha alertado aos militantes que a participação em qualquer governo sem a anuência do partido, determina o incumprimento do dever básico de qualquer militante.

O referido despacho revela ainda que no dia 02 de junho de 2016, foi publicado o decreto presidencial nº 04/2016 no qual pode-se constactar que Botche Candé foi nomeado Ministro de Estado do Interior.

“A participacao do Botche Candé no anterior governo liderado por Baciro Dja, não só pode servir como meio de prova como também e notório por ser de conhecimento público, e ao abrigo do artigoº 514º, nº1 do Código do Processo Civil”, lê-se no Comunicado.

O despacho refere ainda que , em conformidade com o decreto que nomeou os membros do segundo governo liderado por Baciro Dja, e pelo facto do arguido ter exercido o cargo de Ministro de Estado do Interior publicamente, fica provado que o arguido foi membro de um executivo que de antemão não podia e nem devia fazer parte porque viola as regras que regem a organização e funcionamento do partido, e que foram aceites por todos os militantes.

“O arguido antes de aceitar o cargo e tomar posse como Ministro de Estado do Interior, sabia que muitos militantes do partido foram sancionados por terem participado no primeiro governo liderado por Baciro Dja. E, mesmo assim aceitou o cargo e tomou posse como forma de demonstrar o seu desinteresse para a coesão no partido e a sua intenção de continuar a alimentar as guerras internas”, refere o documento.

Entretanto no mesmo acordão, estava plasmado os restantes nomes do militantes suspensos, entre os quais, Maria Evarista de Sousa com “oito” anos de suspensão, Tomás Gomes Barbosa com “oito” anos, Doménico Sanca, Marcelino Lopes Cabral, Iracema do Rosario, Fidelis Forbs, Sandji Fati, Rui Nené Djata, Braima Malam Djassi, e Malam Banjai ambos com quatro anos de sansão.

ANG/LLA/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw