Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Gâmbia/ Adama Barrow toma posse como novo presidente no Senegal

2017-01-19

(ANG) – Adama Barrow,candidato vencedor das eleições presidências gambianas de 1 de Dezembro último, com 45,5 por cento de votos contra os 36,6 por cento de Yahya Jammeh, toma posse hoje na Embaixada de Gâmbia no Senegal como Presidente da República deste País.



O acto foi hoje anunciado à imprensa pelo Embaixador de Gâmbia na Guiné-Bissau, Abdou Jarju, que sustentou que essa embaixada representa a extensão do território do seu país.

O diplomata gambiano disse que a maioria dos juízes do Supremo Tribunal da Gâmbia se encontra exilado no Senegal, o que facilitou ao presidente eleito em termos de juramento de respeito à Constituição e às normas gambianas perante um Juiz.

Quanto a alegada intervenção militar da Comunidade Económica dos Estados Africa Ocidental, CEDEAO disse que só é possível após a investidura do novo presidente, que de imediato passa a ser o Comandante em Chefe das Forças Armada da Gâmbia.

“Já nessa condição o novo Presidente da República pode pedir a intervenção da comunidade. Se assim não for, a CEDEAO poderá ser processado por ingerência em assuntos internos de um país”, explicou Jarju.

O embaixador gambiano em Bissau disse entretanto acreditar numa solução pacífica para a crise.

Em relação aos refugiados gambianos que se encontram na Guiné-Bissau, Abdou Jerju solicita aos seus concidadãos foragidos a dirigirem-se para os serviços consulares da embaixada para se inscreverem e consequentemente beneficiar de um eventual apoio, em caso da necessidade.

Revelou que até ao momento, a Embaixada registou apenas 12 pessoas de nacionalidade gambiano, mas admitiu que o número possa ser maior, por que muitos têm familiares na Guiné-Bissau.

“Sabemos que os refugiados gambianos na Guiné-Bissau não vão se concentrar num único lugar, antes pelo contrário vão exilar-se junto de familiares, e isso vai acarretar custos para essas famílias. Por essa razão devem dirigir-se aos serviços consulares para se inscreverem e assim a embaixada poderá comparticipar para a redução das despesas dessas famílias de acolhimento”, disse.

ANG/LPG/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw