Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 11 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


PAIGC acusa Ministério Público de ter plano para detenção de seu Presidente/

2017-02-01

(ANG) – O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) acusa a Procuradoria Geral da República de ter um plano para “detenção” do seu Presidente, Domingos Simões Pereira, mal este chegue ao país.



De acordo com o Comunicado de Imprensa do seu secretariado, esta formação política afirma ainda que o Ministério Público pretende transformar os processos em que Simões Pereira “consta como testimunha, em arguido”.

“O PAIGC tem vindo a receber informações provenientes de diferentes fontes segundo as quais estas manobras surgiram em consequência de um plano urdido, sob a clara orientação de quem tem a obrigação constitucional de velar pela paz e estabilidade no país, envolvendo o chamado “Grupo dos 15” na sua formalização efectiva”, refere o documento.

Conforme o Comunicado da Procuradoria Geral da República, tornado público em Janeiro último, o Presidente do PAIGC e antigo Primeiro Ministro, deve ser ouvido nesta instância judiciária como “testemunha”, nomeadamente em processos relacionados a um suposto desvios de fundos para o pagamento das obras de reparação das embaixadas da Guiné-Bissau na Bélgica e em Portugal.

Ainda segundo o Ministério Público, Domingos Simões Pereira deve ser ouvido por alegada compra de créditos junto de bancos comerciais no país, e por “denúncia” de um suposto envolvimento do Presidente da República, José Mário Vaz, em negócios ilícitos nas pescas, madeira e areias pesadas de Varela (norte da Guiné).

Processos esses que o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde considera de viciados por alegada interferência de opositores políticos.

Por isso, no seu comunicado, o PAIGC que volta a acusar o Presidente da República de “conduzir o país ao caos”, “ apela seus militantes e simpatizantes para estarem em alerta e não se deixarem aliciar por aqueles que usam os recursos do Estado para fins ilícitos”.

Segundo o comunicao do PAIGC, Domingos Simões Pereira, se encontra,neste momento, em Addis Abeba, Etiópia, desenvolvendo contactos políticos com Presidentes africanos que participam na Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo, sob a organização da União Africana.

ANG/QC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw