Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Terça, 26 de Setembro de 2017
Todas as categorias
Economia
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


EAGB Governo deve mais de um milhão de dólares à Agrekko

2017-02-08

(ANG) - O diretor-geral da Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB) revelou que o Governo guineense contraiu uma dívida com Agrekko, empresa escocesa especializada em fornecimento de energia elétrica, estimada em mais de 1 milhão de Dólares.



Em declarações ao sitio e-Global, René Barros disse que a referida dívida só poderá ser liquidada com a entrada em funcionamento da Central Elétrica de Bôr, ainda em obras e da barragem hidroelétrica em Saltinho, cujo projecto ainda está na fase de lançamento.

Barros acrescentou que o executivo paga mensalmente 250 milhões de Francos Cfa (cerca de 380 mil euros) para fornecimento de combustível à Central Elétrica de Bissau.

Falando de receitas, René Barros afirmou que atualmente a EAGB vende “muito mal” os seus produtos, sublinhando que a empresa precisa de equilibrar as suas tarifas.

”Vendemos os nossos produtos muito mal, por exemplo damos energia a nível dez e vendemos a nível sete, o que não é bom para a empresa”, disse Barros.

Entretanto o acesso a energia é feito por via de pré-pagamento, e o anterior Diretor-geral havia afirmado haver mais procura que a oferta.

Relativamente à ruptura de fornecimento de luz elétrica na semana passada em Bissau, o diretor-geral da EAGB explicou que foi devido à falta de combustível, contudo garante que o incidente já foi ultrapassado.

“Quero tranquilizar aos nossos clientes que a situação verificada na semana passada já foi ultrapassada, pelo que continuamos a fornecer neste momento regularmente energia aos nossos assinantes”, disse.

Segundo o responsável da EAGB, o ministro das Finanças João Aladje Fadia terá admitido a possibilidade de o Governo deixar de pagar as despesas da Empresa de Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau, relativamente ao fornecimento da energia e contratos com a empresa Agrekko, em vigor desde 2014.

Para René Barros se o estado não assumir a responsabilidade destes pagamentos o país poderá brevemente voltar a situação de falta de luz elétrica em Bissau.

ANG/e-Global Notícias em Português


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw