Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Todas as categorias
Política
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Lagoa de Cufada/ Ordem do Presidente da República para parar obras da central eléctrica ainda sem efeito

2017-02-20

(ANG) - Uma ordem presidencial para parar a construção de uma central termoelétrica numa zona protegida da Guiné-Bissau ainda não está a ser cumprida, disseram à Lusa organizações de defesa do ambiente.



Alfredo da Silva, director do Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas Protegidas (IBAP) e Miguel de Barros, secretário-executivo da associação Tiniguena, referiram que a ordem de José Mário Vaz foi dada há uma semana, mas ainda não foi cumprida.

De acordo Alfredo da Silva, o chefe do Estado guineense mandou para o Parque Natural das Lagoas de Cufada, no sul do país, uma delegação multidisciplinar para proceder ao levantamento do projecto, “mas a população, instrumentalizada”, não o permitiu.

A comissão tinha como missão constatar o que já foi feito em termos da construção e propor uma solução para uma eventual mudança do projecto, para outro local, fora do parque das Lagoas de Cufada.

Considerada pelos ambientalistas a maior reserva de água doce da Guiné-Bissau, local de repouso de aves e zona estratégica de pesca, principal meio de subsistência da população do sul do país, o parque abrange uma área em redor das lagoas protegida por lei.

O 'governo' autorizou que uma empresa indiana construa no local uma central termoeléctrica que irá abastecer o sul da Guiné-Bissau com geradores alimentados a gasóleo, facto criticado pelos ambientalistas.

O projecto da construção da central está orçado em 18,7 milhões de euros e os ambientalistas acreditam que nem foram realizados 10 por cento da obra projectada, pelo que defendem que é possível parar e mudar do local a futura central.

O director do IBAP, que denunciou ameaças da população em destruir as viaturas em que os técnicos se faziam transportar e ainda espancá-los, adiantou que os populares de Buba foram instrumentalizados “por alguém” e agora acreditam que os ambientalistas não querem que a central seja construída no local.

“A população foi levada a acreditar que nós queremos que a central seja agora instalada na região de Bafatá, no leste, em detrimento da população da zona sul, o que é falso”, enfatizou Miguel de Barros, que não só não compreende o posicionamento da população como o facto de a ordem do chefe de Estado ter sido ignorada.

Os ambientalistas aplaudem a intenção do Presidente guineense em querer que se parem com as obras da construção da central, mas afirmam ser preciso “fazer mais”, caso contrário, admitem avançar para os tribunais nacionais e internacionais pedindo a responsabilização do Estado e dos autores do projeto.

ANG/Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw