Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Quarta, 14 de Novembro de 2018
Todas as categorias
Internacional
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


França Justiça avança com processo contra Fillon

2017-03-02

(ANG) - O candidato presidencial francês, François Fillon, disse que vai ser acusado de ter criado empregos falsos para a mulher e os filhos, mas que mantém a candidatura às eleições de 23 de abril.



O candidato presidencial francês François Fillon adiou, esta quarta-feira, uma visita à Feira de Agricultura de Paris sem prestar qualquer justificação, o que levantou suspeitas que poderia desistir das presidenciais. No entanto, o conservador promete que irá levar a campanha presidencial até ao fim.

“Tenho um encontro marcado com a democracia e só ela nos pode levar a escolher o futuro. Eu estarei lá com determinação renovada, e não vou permitir que a escolha dos eleitores seja entre uma aventura louca com a extrema direita e a continuação do hollandismo “, afirmou Fillon.

“Não cederei, não me renderei, não me retirarei. Peço-vos que me sigais”, garantiu esta quarta-feira, na sede de campanha do seu partido, em Paris.

François Fillon nega todas as acusações e revelou que “vai encontrar-se com os magistrados” no próximo dia 15 de março. A sua mulher, Penelope, também terá sido notificada para prestar declarações no dia 18 de março.

O candidato presidencial diz que está a ser alvo de um inquérito judicial tendencioso, que devido à escolha do calendário tem como consequência o seu “assassinato político”.

“Muitos dos meus apoiantes e aqueles que me apoiaram nas primárias e os quatro milhões de eleitores, falam de um assassinato político. Este é um assassinato, de facto. Com a escolha deste calendário para o inquérito judicial, não sou apenas eu que estou a ser assassinado é a eleição presidencial”, acrescentou Fillon.

O conservador é suspeito de desvio de fundos públicos por ter alegadamente criado empregos fictícios para a mulher e os dois filhos.

Os dois filhos de Fillon terão ganho perto de 85 mil euros com vários trabalhos parlamentares, e Penelope terá recebido cerca de 900 mil euros ao trabalhar como assistente parlamentar e como colaboradora de uma revista literária.

ANG/ZAP/ Lusa


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw