Mapa do sítio  |  Contactos  
    
Início          Sobre a ANG          Internacional          Desporto          Cultura          Galeria Domingo, 19 de Novembro de 2017
Todas as categorias
Ensino
Política
Economia
Saúde
Justiça
Agricultura
Ambiente
Infra-estruturas
Comunicações
Turismo
Cultura
Desporto
Regiões
Lusofonia
Cedeao
Internacional
Arquivo
Cooperação
Ensino
Religião
Anuncios
Tecnologia
Sociedade
Transportes


Ensino especial/ Governo apoia expansão do ensino da língua gestual no país

2017-03-03

(ANG) – O Ministério da Mulher, Família e Solidariedade Social está disposto a apoiar a Associação de Surdos da Guiné-Bissau (AS-GB) à expandir o ensino da língua gestual em todo o território nacional.



A disponibilidade foi manifestada hoje pelo representante do MMFSS na cerimónia de encerramento da sessão de formação para recolha de gestos para a revisão do dicionário de língua gestual guineense e produção de manual de orientação e de sensibilização ao atendimento da comunidade surda da Guiné-Bissau.

Carlos Tipote elogiou a AS-GB, pelo trabalho que tem vindo a fazer em beneficio das pessoas com deficiências, tendo deixado garantias do seu Ministério em continuar a apoiar a Associação na medida das suas possibilidades, sobretudo para a abertura da escola dos surdos que foi construída graças ao apoio financeiro do governo português.

O Presidente da Associação de Surdos da Guiné-Bissau, José Augusto Lopes disse que o acto marca uma etapa singular na implementação da educação especial, neste caso o ensino gestual no país.

Informou que a língua gestual nasce sempre quando surdos se juntam e que quanto mais fôr a maior diversidade etária, constitui-se uma verdadeira comunidade permitindo o reconhecimento rápido da comunicação gestual não só pelos deficientes, bem como pela comunidade onde vivem.

José Lopes disse que apesar de se registar um desenvolvimento da língua da comunidade surda guineense, a maioria dos surdos ainda continua fora do sistema do ensino, sobretudo os do interior do país.

Por sua vez, Margarida Madureira, Adida da Cooperação Portuguesa no país enalteceu os trabalhos realizados pela AS-GB e considera os de positivo, devido ao incremento do ensino da língua gestual no país.

“Na Guiné-Bissau, as pessoas portadoras de difidência são ainda tratadas com estigma e são muitas vezes excluídas das suas comunidades e não têm acesso à escola enquanto crianças e nem integram o mercado de trabalho por vezes”, lamentou.

ANG/LPG/ÂC/SG


Publicidade




©Agência de Notícias da Guiné
Telefone: 0123-456-789
Email: geral@ang.gw